Foi-se o tempo em que o consumidor de Fortaleza não tinha muitas opções na hora de fazer a feira. Atualmente, a cidade conta com cerca de 200 supermercados e diversas redes já demonstram interesse em abrir novas lojas em 2012. Devido à grande concorrência e clientes cada vez mais exigentes, estabelecimentos buscam alternativas para sobrevirem ao mercado.

De acordo com o superintendente da Super Rede, Paulo Ângelo Cardillo, o Nordeste é a região com maior índice de crescimento de supermercados. “Enquanto a média nacional é de 5% a 6%, aqui ultrapassamos os dois dígitos”, afirma. O maior atrativo do Ceará, segundo ele, são os investimentos que estão sendo feitos no Estado e a demanda que não para de crescer. A Super Rede, aliás, inaugura amanhã o seu 39º supermercado no Ceará. Localizado na Avenida Washington Soares, o Pinheiro Supermercado abre sua loja em uma área de 1.500 metros quadrados e gera 174 postos formais de empregos.

Ainda em dezembro passa a funcionar o novo Super Polar, que será situada na Avenida Bezerra de Menezes. Dessa forma, a Super Rede, que é composta por Super Lagoa, Super Frangolândia, Super do Povo, Super Polar, Super Compre Certo e Pinheiro Supermercado, encerrará as atividades de 2011 com 40 lojas no Ceará.

Investimentos

Provando que Fortaleza está sendo alvo de grandes investimentos no ramo, será inaugurado hoje, às 9h, o Hiper Bompreço Washington Soares, que custou R$ 30 milhões ao Walmart Brasil, rede à qual pertence o supermercado. A loja ocupa uma área de 4,5 mil metros quadrados e está gerando 280 novos empregos diretos.

A previsão é que mais uma unidade Hiper seja aberta no início de 2012, no bairro de Fátima. “O Ceará é um estado estratégico para nós”, disse o diretor do Walmart no Nordeste, João Carlos Silva.

Quem também já tem previsão de novas lojas no Ceará é o Grupo Pão de Açúcar, que através de sua assessoria de comunicação afirmou ter a intenção de abrir um Extra e uma Assaí já no próximo ano, porém não deu mais detalhes.

Preocupações

Para o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará (FDCL), Honório Pinheiro, mesmo dando opções para o consumidor, essa chegada de grandes redes de supermercado ao Ceará pode trazer malefícios em breve. “Ainda não temos muitos problemas, mas nesse ritmo acredito que em um curto ou médio prazo de tempo o mercado interno do Estado se fragilizará. Cabe ao governo regulamentar essa situação, assim como vários países já fizeram com sucesso.

(DIÁRIO DO NORDESTE)