IMAGEM ILUSTRATIVA

O músico e cordelista Tião Simpatia divulga a lei Maria da Penha por meio da música, do repente e da literatura de cordel no Ceará. Com rimas de uma tradição nordestina, o artista popular explica como funcionam os principais artigos da lei.“A Violência Doméstica tem sido uma grande vilã e, por ser contra a violência, desta Lei me tornei fã. Pra que a mulher de hoje não seja uma vítima amanhã”, diz Tião Simpatia nos primeiros versos do livro “A Lei Maria da Penha em Cordel” que será lançado nesta terça-feira (6), em Fortaleza.

Em 2007, o artista cearense conta que musicalizou a Lei Maria da Penha para uma campanha de mobilização. A ideia do cordel veio depois do sucesso da música e de um pedido da própria Maria da Penha a Tião Simpatia para que adaptasse a Lei para a literatura de cordel.

“Uma pesquisa recente diz que 94% das mulheres conhecem a existência da Lei, mas apenas 13% conhecem efetivamente o conteúdo. O cordel tem uma linguagem simples, do povo e facilita o entendimento de todos”, diz Tião Simpatia que trabalha em parceria com o Instituto Maria da Penha.

Em 2007, o artista cearense musicalizou a Lei Maria da Penha para uma campanha de mobilização. A ideia do cordel veio depois do sucesso da música e de um pedido da própria Maria da Penha a Tião Simpatia para que adaptasse a Lei para a literatura de cordel.

Lei Maria da Penha
A Lei Federal 11340/06, mais conhecida como Lei Maria da Penha, está em vigor desde 2006 e protege mulheres vítimas de violência doméstica. Além da prisão dos agressores, a lei também prevê medidas de proteção para as vítimas.

A farmacêutica Maria da Penha Lino dá nome à lei e foi uma vítima da violência doméstica. Ela ficou paraplégica há 25 anos, depois de ser baleada pelo ex-marido, o colombiano Antônio Viveiros.

Serviço
Lançamento de “A Lei Maria da Penha em Cordel”
Texto: Tião Simpatia / Ilustrações: Meg Banhos;
Terça-feira (6), às 19 horas, Livraria Cultura.

(G1 CEARÁ)

Anúncios