A presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira (02/12) que a América Latina deve apostar mais em integração e no impulso da inclusão social para manter o crescimento da economia regional e se blindar contra a atual crise financeira.
“Na América Latina, nós temos de perseguir a integração, nosso novo paradigma exige isso. Queremos uma integração que não seja aquela que só beneficia alguns países”, declarou a presidente no discurso de abertura da sessão plenária para a criação da Celac (Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos).
Dilma considerou que a crise econômica deve estar no “centro das preocupações políticas” do novo organismo regional, que engloba as Américas, mas exclui propositalmente os Estados Unidos e o Canadá. Segundo ela, os países ricos “são os reais temores de uma recessão global”.
Neste sentido, ela alertou para “o temor da desintegração da zona do euro”, o que classificou como um “grande problema” da atual conjuntura econômica.
“Necessitamos de uma América Latina que se dê conta que, para garantir e preservar seu ciclo atual de desenvolvimento com inclusão social (…), é preciso que cada um de seus países tenham consciência de que precisam uns dos outros”, disse a presidente.
Ela disse ainda que a região deve liderar um “novo paradigma” econômico com dois desafios principais: manter o crescimento com o aspecto de inclusão e justiça social e criar empregos de qualidade.
“Estou falando de um novo paradigma em que as economias mais desenvolvidas de nossa região não podem nem absorver nem subordinar nem tutelar seus vizinhos como estamos vendo que está acontecendo em partes que, até então, eram ditas civilizadas”, destacou.
Dilma também pediu a combinação da ideia de uma América Latina provedora de matérias-primas com uma região que também mostre sua “vocação para gerar conhecimento”.
A presidente brasileira ressaltou que a Celac não será “de curto prazo ou um caminho de facilidades”, mas estimou que, com respeito à independência dos países, não haverá “outros 100 anos de solidão, mas 100 anos de integração”.
(PORTAL ÓPERA MUNDI)
Anúncios