Dez empresas estão interessadas em comprar a Oboé Card. Pelo menos interessadas. Representantes delas estiveram ontem pela manhã em uma reunião com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), entidade que atua com mecanismos de proteção aos titulares de crédito de instituições financeiras. O FGC está intermediando a negociação porque a Oboé Card está sob intervenção do Banco Central (BC) desde setembro, quando foi apontado comprometimento da situação econômico-financeira e uma suposta violação das normas do Conselho Monetário Nacional e do BC. 

De acordo com Celso Antunes, diretor do FGC, a reunião ocorreu mesmo com a Oboé tendo conseguido na quinta-feira, 24, uma liminar que suspendia a intervenção. “Só soubemos dessa informação na parte da tarde e a reunião ocorreu pela manhã”, explicou. Ele disse ainda que, caso o BC não entre com recurso, que é cabível, para suspender a liminar, a negociação deve ser feita diretamente com o controlador da empresa, Newton Freitas. 

Mas se a intervenção continuar o processo de venda deve ser rápido. Antunes aposta em cerca de 45 dias para que todo o processo seja concluído. “Isso se não houver nenhuma complicação jurídica”, ressalta. No caso de não haver, já na próxima terça-feira, os representantes das empresas interessadas na compra devem vir à Fortaleza para conhecer a Oboé e checar os ativos da financeira. Entre as empresas que podem comprar a Oboé, estão “duas ou três cearenses”, aponta o diretor. A partir da ciência da situação da financeira, os interessados farão suas ofertas.

Funcionários 

Os funcionários da Oboé, que ainda estão sob suspense em relação ao futuro, tiveram ontem também uma reunião. No caso deles a reunião não foi acessível e, de acordo com um funcionário que preferiu não se identificar, o encontro foi apenas com o sindicato da categoria para entrega de documentos. O mesmo funcionário disse que o sentimento geral entre os colegas é de que realmente não haverá retorno ao trabalho na empresa. “Todos já estão procurando novos empregos”, disse. Ele conta que existe um sentimento de falta de credibilidade na empresa e que, mesmo se a intervenção for suspensa, grande parte dos colegas não pensa em voltar. 

Quem


ENTENDA A NOTÍCIA

Os clientes da Oboé Financeira com créditos de até R$ 70 mil estão sendo pagos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC) desde 1º de novembro até 1º de março de 2012. 

Serviço 

Oboé

Endereço: Av. Senador Virgílio Távora, 1.933 – Aldeota

Telefone: 3133 7500 

(Henriette de Salvi – O Povo Online)

Anúncios