Jorge Lourenço

Um das escolas mais tradicionais do Brasil está com uma situação delicada em mãos. Um professor do Colégio Pedro II, fundado pelo imperador que lhe empresta o nome, atacou publicamente na internet o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Qualquer crítica é bem-vinda, mas o educador foi mais longe: ele pediu a morte de Lula e disse que o político herdou a doença de Dilma por tê-la ajudado nas eleições. Na mesma publicação, ele ainda pediu a morte de outras figuras, como a própria Dilma, o ministro da Educação Fernando Haddad, o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes.

Ladeira abaixo

Repreendido por alunos do colégio, o professor de física Márcio Nasser Medina argumentou dizendo que tinha o direito de falar o que bem entendesse e manifestar o desejo de ver qualquer um morto. Entre os comentários veiculados no perfil do educador, algumas pessoas lembravam que ele era um servidor federal, ou seja, estava falando mal dos seus chefes. Outras pessoas atentavam que o discurso de ódio podem se enquadrar no Artigo 286 do Código Penal.

Márcio Nasser foi repreendido pelos próprios alunos após divulgação de mensagens de ódio

Alô, direção

Procurada pelo Informe JB, a direção do Colégio Pedro II informou que ainda não tinha tomado conhecimento do caso e que ainda iria entrar em contato com o professor. A instituição deve se pronunciar mais tarde sobre o incidente.

(JB Online)