A greve dos bancários que começou nesta terça-feira já atinge 19,3 mil trabalhadores, de acordo com balanço do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. O número equivale a 14,3% dos 135 mil trabalhadores representados pelo sindicato. Entre agências bancárias e centros administrativos, 621 postos de trabalho não funcionaram hoje.

O autoatendimento das agências permanece aberto para os clientes dos bancos. De acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), 25 Estados e o Distrito Federal aderiram à paralisação.

Apenas Roraima ficou de fora, mas uma assembleia na noite de hoje decidirá o rumo dos bancários no estado.

Os bancários recusaram em assembleia ontem uma proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) que previa aumento real de apenas 0,56%, por considerá-la insuficiente.

Após cinco rodadas de negociação, os banqueiros recusaram reivindicações como a valorização nos pisos e a maior participação nos lucros e resultados, segundo o Sindicato dos Bancários.

“Os banqueiros que atuam em um dos setores mais lucrativos do país levaram os bancários à greve. Esse reajuste está aquém do reivindicado pela categoria e do crescimento de 20% no lucro dos bancos”, disse Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

A próxima assembleia será realizada amanhã, na Quadra dos Bancários, a partir das 16h, quando deve ser decidida a continuidade da greve e os próximos passos dos bancários.

(IG Economia)

Anúncios