A 8ª Vara Federal do Rio recebeu nesta terça a ação encaminhada pelo Ministério Público Federal (MPF) para interromper a reforma do Maracanã.

O procurador da República Mauricio Andreiuolo pediu a imediata paralisação da destruição da marquise do estádio, que receberá o encerramento da Copa.

A ação é contra o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e a Emop (Empresa de Obras Públicas).

Máquinas trabalham na região central do estado do maracanã

O MP Federal pede, em liminar, que a Emop suspenda as obras, que já estão em andamento, sob pena de multa diária de R$ 500 mil reais. Segundo Andreiuolo, a autorização prévia emitida pelo Iphan descaracteriza o estádio e viola seu tombamento como patrimônio histórico e cultural.

O procurador também quer que o Iphan e a Emop reedifiquem as partes já demolidas com a adequação da obra à preservação da marquise sob pena de multa diária de R$ 1 milhão.

Palco da final da Copa, o Maracanã será reformado ao custo de R$ 931 milhões.

(Folha Online)