O engenheiro e ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, voltou a negar que tenha sumido com R$ 4 milhões destinados ao financiamento da campanha eleitoral do PSDB em 2010. Na véspera, ele prestou depoimento de duas horas e meia ao Ministério Público Estadual.

Paulo Preto assinou um termo de compromisso por meio do qual abre mão espontaneamente de seu sigilo bancário e fiscal. A quebra do sigilo, porém, será restrita ao período que interessar à investigação.

Classificado na campanha eleitoral de 2010 como “o homem-bomba” do PSDB, Paulo Preto é alvo da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social. O inquérito apura denúncias de tráfico de influência, improbidade, enriquecimento ilícito e desvio de recursos públicos.

O procedimento, aberto por requisição da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo, corre sob segredo. O ex-diretor da Dersa informou que está processando por crime contra a honra todos os que lhe atribuíram o desvio de R$ 4 milhões

Na véspera, Paulo Preto foi à audiência acompanhado de seu advogado, José Luís Oliveira Lima, e respondeu a todas as perguntas da promotoria.

– Tendo em vista que o procedimento é sigiloso não posso me manifestar – afirmou o advogado.

(Portal Vermelho)

Anúncios