Não importa quais seleções venham a jogar em gramado cearense: mais de 700 mil turistas são esperados em Fortaleza durante a Copa do Mundo 2014, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, encomendada pelo Ministério do Turismo (MTur). A estimativa, divulgada ontem, é que a Capital deve ser a terceira cidade-sede com maior número de visitas de brasileiros (564.070), atrás apenas do Rio de Janeiro e de São Paulo, e a quinta na soma dos estrangeiros (153.822).

Para o diretor de Estudos e Pesquisas do MTur, José Francisco Lopes, o fluxo de turistas não é determinado especificamente pelos jogos, mesmo porque são poucos os que vão ao estádio. A maior parte dos visitantes quer mesmo aproveitar a chance para conhecer novos lugares.

E, ao que parece, os turistas, sobretudo os estrangeiros, estão mesmos dispostos a investir na viagem. Lopes diz que em média esse turista deve gastar cerca de R$ 12 mil durante os dias em que permanecer no País: “uma média de 18 dias”, afirma o diretor do MTur.

Vantagem da Capital

Ele diz que essa será uma “oportunidade de ouro” para Fortaleza, e acredita que o município está preparado para receber boa parte dessa conta durante a Copa. A mesma confiança mantém o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), Fermi Torquato. Ele avalia que o destino chama atenção pelo que o entorno oferece, e a hotelaria por aqui ganha reforço justamente porque é bem abastecida pelos empreendimentos no Porto das Dunas e Cumbuco, por exemplo. “Até 400 quilômetros de raio, o turista ainda quer ficar, mas tem que ter boa locomoção”, pondera, em referência a outras obras de infra estrutura e mobilidade urbana, que estão, em maior parte, atrasadas no Ceará e em outras sedes.

Leitos disponíveis

Contudo, outro fator importante que posiciona Fortaleza à frente de Recife e Salvador, por exemplo, é que, hoje, o número de leitos disponíveis já atendem bem a demanda disponível, ao contrário da capital pernambucana, que era considerada um dos “gargalos do segmento”, até lançar um pacote de incentivos para a ampliação de sua rede.

De acordo com o presidente da ABIH – CE, Régis Medeiros, Fortaleza conta com 26 mil leitos e há projetos de cinco novos equipamentos na cidade, que devem somar mais dois mil. A expectativa é alcançar 40 mil leitos até 2014. “Nós não podemos pensar em crescer demais para a Copa, porque depois, se o fluxo não for mantido, esses hotéis vão ficar ociosos e quebrar”, explica Medeiros.

No País

Ao todo, o País deve receber mais de 600 mil estrangeiros e 3 milhões de turistas domésticos no mês do evento. Os estrangeiros vão realizar quase 2 milhões de viagens, e os brasileiros, 3 milhões.

ENTRE 2003 E 2009
Ocupação formal no setor sobe 34%

O número de ocupações formais geradas nas Atividades Características do Turismo (ACTs) cresceu 34% no período de 2003 a 2009, ano em que representavam 914 mil empregos com carteira assinada no país. Os dados do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), relativos às atividades que prestam atendimento a turistas, foram apresentados, ontem, no Salão do Turismo, que acontece em São Paulo.

“O estudo faz um filtro, separando, no âmbito das ACTs, aquelas para atendimento ao turista. Se fossem consideradas as que atendem também aos residentes, os números seriam maiores”, explica Roberto Zamboni, técnico do Ipea.

O levantamento mostra também que as ACTs representavam, em 2009, 2,8% de todas as ocupações formais do País. Foram pesquisadas atividades de alojamento, agências de viagem, transportes , alimentação, auxiliar e aluguel de transportes, além de cultura e lazer.

Perfil

Ao avaliar o perfil dos empregados nas agências de viagens, por exemplo, o estudo mostra que os com nível de escolaridade segundo grau ou superior incompleto representam 67,5% do total.

Os que têm curso superior completo recebem salários médios de R$ 1.500, os maiores da categoria. As cidades que mais empregam na área são: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Natal e Fortaleza.

ANA CAROLINA QUINTELA – Diário do Nordeste