Seis astronautas foram forçados a buscar refúgio em aeronaves “salva-vidas” a bordo da Estação Espacial Internacional na terça-feira por causa do risco de uma colisão com entulhos espaciais, informou a agência espacial russa.

“Isso aconteceu devido ao ”lixo espacial” não identificado passando muito perto da estação espacial. A tripulação recebeu ordens para ir à aeronave Soyuz”, disse a Roskomos em comunicado.

O lixo espacial passou a apenas 250 metros da estação orbital na terça-feira, enquanto os astronautas se preparavam para entrar na aeronave, disse uma autoridade, segundo a agência de notícias RIA Novosti.

Não é a primeira vez que uma tripulação da estação espacial busca abrigo por causa do lixo acumulado no espaço. As tripulações rotineiramente são colocadas em alerta para se preparar para sair da linha de frente do perigo.

Em março de 2009, três membros da tripulação foram forçados a deixar brevemente a estação espacial em um incidente.

A estação, um projeto de 100 bilhões de dólares de 16 países que está em construção a cerca de 350 quilômetros acima da Terra desde 1998, atualmente é ocupada por três russos, dois norte-americanos e um astronauta japonês.

Apenas 10 por cento dos objetos em órbita ao redor da Terra são satélites. O restante é lixo: pedaços de foguete, satélites que não funcionam mais, blocos de aceleração e outros entulhos, disse um porta-voz da agência espacial à agência estatal de notícias Itar-tass.

Mesmo objetos pequenos representam perigo aos astronautas quando em órbita, onde o lixo do tamanho de um ovo é capaz de se movimentar em velocidades perigosas.

O campo minado do lixo espacial é um perigo crescente, com cada vez mais satélites em órbita, e representa um dos desafios mais importantes dos futuros empreendimentos orbitais, disse à Reuters o especialista Vladimir Gubarev.

“Tudo está a uma distância de apenas cerca de 100 metros um do outro. Um satélite entra no caminho do próximo. Está muito lotado”, disse Gubarev, renomado jornalista espacial e porta-voz soviético para a missão conjunta Apollo-Soyuz em 1975.

(Reuters)

Anúncios