BRASÍLIA – Na tarde deste sábado, por volta das 16h, hackers divulgaram login e senha de um FTP (em inglês, File Transfer Protocol), que seria de um servidor da Petrobras, onde estariam armazenados dados pessoais de funcionários como nomes, endereços e telefones. A companhia nega que o endereço de servidor faça parte da rede interna da companhia. Os sites da Secretaria de Administração de Mato Grosso e da Universidade de Brasília (UnB) também se tornaram vítimas dos hackers e foram atacados neste sábado. O site do governo de Mato Grosso ficou fora do ar durante a tarde e permanecerá inativo por tempo indeterminado. Já a ofensiva virtual à página da universidade de Brasília ocorreu durante a madrugada. Foram alterados títulos e conteúdo da página principal. Na próxima segunda-feira, a Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara vai propor uma audiência para ouvir especialistas e autoridades representantes dos órgãos de governo atacados por hackers.

“Acesse você tbm os arquivos sigilosos da Petrobras!”, diz o post que permanece no ar com as coordenadas de acesso.

Os FTPs, alvo do ataque deste sábado, são uma maneira rápida de fazer o download ou upload de arquivos na internet, utilizadas por empresas para transferir documentos para diferentes sedes. Procurada, a assessoria de imprensa da Petrobras informou que o endereço do servidor divulgado neste sábado na internet não é da rede interna da companhia. O servidor citado seria externo e utilizado apenas para transferir informações aos prestadores de serviço da Petrobras, que não têm acesso à rede interna da empresa.

Ainda de acordo com a companhia, a “Petrobras assegura que sua rede não foi invadida e que não houve qualquer alteração de conteúdo ou violação de informação”. Uma porta-voz informou que a empresa ainda está investigando a origem e a veracidade das informações.

O perfil inicial @LulzSecBrazil continua ativo, mas outro perfil, o @LulzSec_BR, diz ser o novo veículo de comunicação do grupo que se identificou como Lulz Security Brazil, e reivindica ataques a sites do governo.

“Avisem a todos que o @LulzSecBrazil é agora oficialmente @LulzSec_BR”, dizia um post no microblog, no novo perfil com o mesmo background (fundo de tela), foto e biografia do anterior.

O usuário postou na noite de sexta-feira arquivos publicados no site Pastie.org contendo nomes, telefones e endereços que seriam de “inspetores e coordenadores da Petrobras”.

Ao contactar os número de telefones, muitos não completaram e alguns poucos que atenderam ao telefonema informaram que eram ex-funcionários de uma refinaria e que não tinham mais relações com a companhia.

Ataque a sites é investigado por instituições

O ataque contra o site da secretaria de administração de MT ( www.sad.mt.gov.br ) não provocou alterações ao sistema ou às informações do site, informou a Secretaria de Comunicação Social (Secom) do MT. O site foi retirado do ar assim que a alteração na página foi identificada e permanece com mensagem de manutenção.

– O ataque foi isolado, atingindo apenas a página principal – disse a Secom em comunicado no seu site.

O departamento de comunicação também afirmou que, segundo o Centro de Processamento de Dados de Mato Grosso (Cepromat) “técnicos do órgão já estão trabalhando para verificar de que forma e por onde ocorreu o ataque”.

Sobre a investida da madrugada, a instituição informou que o portal da Universidade de Brasília (UnB) sofreu um ataque de hackers e foi retirado do ar por volta da 00h30 deste sábado. Até o fim da tarde, quem acessava a página ( www.unb.br ) encontrava a seguinte mensagem: “Site em manutenção – Universidade de Brasília”.

Diferentemente do que ocorreu em outros sites do governo, em que um grande número de acessos simultâneos derrubou os portais, o ataque à página da UnB consistiu em mudanças de conteúdo, com alterações nos títulos das notícias, semelhante à invasão no site do IBGE. A universidade avisou a Polícia Federal, que já havia aberto investigação para apurar as demais invasões.

UnB acredita que ataque veio de membros descontentes com a política da universidade

O prefeito do campus da UnB, Paulo César Marques, foi quem constatou o ataque ao portal, por volta da meia-noite de sexta-feira para sábado, e alertou o centro de informática da universidade. Ele disse que ainda não há pistas sobre os autores, mas deixou claro que desconfia de pessoas ligadas à própria UnB.

O motivo, segundo Paulo César, é que as modificações de conteúdo tinham caráter crítico, de chacota e usavam linguagem de baixo calão, dando a impressão de que teriam sido feitas por alguém que acompanha o debate acadêmico.

– Acho que quem fez isso está familiarizado com o que a universidade está discutindo e pegou carona nessa onda de ataques (a páginas do governo na internet). Não foi só para brincar, foi para veicular algum tipo de crítica.

Numa das notícias sobre a construção do campus da UnB em Ceilândia, o título alterado passou a dizer: “Administração desiste de obra na Ceilândia. Reitor foi assaltado por pivetes.” Em outra, que tratava de um seminário, o hacker escreveu: “Semana de SEXO começa nesta segunda. Ministro Ayres de Britto e deputado Jean Wyllys participam de orgia sexual no Judiciário. Estupro será legalizado.”

O jornal “Campus Online”, da Faculdade de Comunicação da UnB, divulgou ontem a imagem do portal da universidade com os títulos alterados, após o ataque dos hackers. A imagem pode ser vista aqui .

Na sexta-feira (24), a Polícia Federal disse ter iniciado uma investigação para apurar os responsáveis pelo ataque aos sites da Presidência da República, do Senado e da Receita Federal, entre outros órgãos. Segundo a PF, já há suspeitos, mas seus nomes não serão revelados até o final da apuração.

Autoridades e especilistas serão ouvidas por órgãos do governo atacados por hackers

Em nota, o deputado Sandro Alex (PPS-PR), da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara, anunciou que nesta segunda-feira vai propor a realização de audiência para ouvir especialistas e autoridades dos órgãos de governo atacados por hackers.

Eis a íntegra do texto divulgado no site do PPS:

“Integrante da Comissão de Ciência e Tecnologia, o deputado Sandro Alex (PPS-PR) protocolará na próxima segunda-feira (27) um convite na Comissão para ouvir especialistas e autoridades dos órgãos de governo que foram atacados por hackers entre quinta e sexta-feira.

Entre os portais institucionais estão o da Petrobras, IBGE, Ministério da Cultura, Receita Federal e o do Senado Federal.

O objetivo é saber, em detalhes, o que ocorreu é qual o grau de vulnerabilidade das informações mais confidenciais e aquelas que podem comprometer a segurança nacional.

Hoje eles derrubaram os sites destas instituições. Até onde (hackers) podem ir, além daqui? O nosso sistema aéreo está 100% protegido? Então, são estas as respostas que precisamos levar para o Congresso Nacional e discutir formas de melhorar nossas redes de informação”, justifica o autor do pedido.

O deputado do PPS pretende incluir ainda no requerimento de audiência especialistas da Polícia Federal e do Serpro (Serviço de Processamento de Dados, que é ligado ao Ministério da Fazenda).”

(Digital Mídia – O Globo Online)

Anúncios