O secretário estadual dos Esportes, Gony Arruda anunciou em entrevista coletiva nesta segunda-feira (13), na Assembleia Legislativa do Ceará, que está deixando o PSDB. Gony se antecipou ao julgamento do diretório estadual, que avalia parecer do Conselho de Ética tucano recomendando sua expulsão. Ele não anunciou para qual sigla irá, mas deu motivos para a sua desfiliação: vinha sofrendo perseguição política do presidente do Conselho de Ética, Assis Machado.

Os problemas de Gony Arruda tiveram início quando ele resolveu aceitar convite do governador Cid Gomes para assumir a Secretaria do Esporte do Estado (Sesporte). Ele garante, no entanto, que teria consultado a bancada estadual, além de que o PSDB não havia decidido oficialmente por fazer oposição à gestão Cid Gomes.

Gony Arruda procurou isentar de críticas tanto o ex-senador Tasso Jereissati quanto o atual presidente da sigla, ex-deputado Marcos Cals.O discurso conciliador em relação a Tasso Jereissati difere do adotado por Esmerino Arruda, prefeito de Granja, e pai de Gony Arruda. Em defesa do filho, ele chegou a declarar que, quem deveria ser expulso primeiro do PSDB era o ex-senador Tasso Jereissati, por infidelidade partidária.

Esmerino referia-se ao fato de Tasso não ter apoiado o então candidato tucano José Serra para presidente em 2002 e também por ter apoiado a primeira eleição de Cid Gomes em 2006, contribuindo para a derrota de Lúcio Alcântara.

Sobre as consequências de sua saída junto ao PSDB, Gony Arruda afirma que “não sabe que medidas serão adotadas”.

O CNews ligou para o telefone do presidente estadual do PSDB, Marcos Cals, mas o celular estava desligado.

(C News)

Anúncios