O mercado de software pirata cresceu 14% em 2010, chegando a US$ 58 bilhões (R$ 95 bi), de acordo com o Estudo Global sobre a Pirataria produzido pela Business Software Aliance. O Brasil ocupa o quinto lugar do ranking, com gastos de US$ 2,6 bi (R$4,2 bi) em softwares não licenciados. Os Estados Unidos lideram a lista com US$ 9,5 bi (R$ 15,4 bi).

Segundo a consultoria, o índice de pirataria no Brasil caiu dois pontos percentuais na comparação com 2009 e chegou a 54% do total de softwares instalados no país. Já a média latino americana aumentou um ponto percentual e ficou em 64%, totalizando vendas de US$ 7,03 bi (R$ 11,8 bi).

Reprodução
Pirataria global cresceu 14% e movimentou US$ 58 bilhões

Para chegar aos valores, a consultoria calcula o número de computadores do país e a quantidade de softwares vendidos no período. Não há detalhamento sobre o total de softwares livres instalados.

Pirataria emergente

Nos países de economias emergentes, os índices de pirataria são 2,5 vezes maiores que os de economias consolidadas. O montante pirata comercializado nesses países, contudo, corresponde à metade do valor mundial (R$ 51,7 bi).

Metade dos 116 países abordados na pesquisa apresentou índices superiores a 62%. Na Georgia, por exemplo, 93% dos programas instalados não possuem licença de uso.

(Tecnologia IG)