O Itaú Unibanco anunciou na manhã desta terça-feira um lucro líquido de R$ 3,53 bilhões no primeiro trimestre de 2011, o que indica uma alta de 9,1% ante o mesmo período do ano passado. Na comparação com o último trimestre do ano passado, no entanto, houve queda de 9,2%.

O resultado é o melhor entre os bancos que já divulgaram o balanço do primeiro trimestre no Brasil: o Bradesco registrou ganhos de R$ 2,7 bilhões e Santander teve lucro de R$ 2 bilhões.

O aumento do lucro em 12 meses foi puxado pelas operações de crédito, que cresceram 21,9% e fecharam o período em R$ 344,8 bilhões, incluindo avais e fianças. Na comparação com o último trimestre de 2010, a carteira cresceu 3,4%.

O banco também destacou o aumento da receita com serviços financeiros. Nos empréstimos, o destaque foi o aumento de 24,2% nas operações de pessoa jurídica no primeiro trimestre deste ano, ante o mesmo período de 2010, para R$ 201 bilhões. O resultado foi puxado pelos empréstimos para pequenas e médias empresas, que cresceram 29%.

No caso das operações com pessoas físicas, a evolução foi de 18,6%, com carteira de R$ 128,7 bilhões. A rentabilidade patrimonial do banco atingiu 27%. O retorno sobre o patrimônio líquido médio do Itaú Unibanco ficou em 22,7%, abaixo dos 25% do mesmo trimestre de 2010.

Os ativos totais do banco terminaram março em R$ 778,5 bilhões, o que indica uma expansão de 23% em 12 meses. Já o patrimônio líquido ficou em R$ 67,3 bilhões, o que representa alta de 27%.

O Itaú Unibanco foi o terceiro grande banco a divulgar resultados do primeiro trimestre. Na semana passada, o Bradesco anunciou um lucro líquido de R$ 2,7 bilhões e o Santander informou um lucro de R$ 1 bilhão, ambos no padrão contábil brasileiro.

Lucro recorrente

O Itaú Unibanco também informou hoje um lucro líquido recorrente de R$ 3,638 bilhões no primeiro trimestre de 2011. A diferença em relação ao resultado contábil ocorre por conta de provisões feitas pelo banco para contingências de planos econômicos do passado. O retorno patrimonial sobre o lucro recorrente foi de 23,4%, abaixo dos 24,4% do primeiro trimestre de 2010.

(Ultimo Segundo)