O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou nesta quinta-feira que o colega Jair Bolsonaro (PP-RJ) tem se caracterizado como um deputado estúpido. Vaccarezza propôs que o caso do congressista, que fez declarações classificadas como racistas na TV, seja analisado também pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), não só pela corregedoria e Conselho de Ética da Casa.

Na opinião do líder, a CCJ tem que se debruçar sobre os limites da imunidade parlamentar. “Qualquer deputado tem seu direito de palavra garantido, mas será que a Constituição garante alguém que defenda o holocausto, por exemplo? Acho que essa é uma discussão mais profunda, que não cabe só ao Conselho, mas também à Comissão de Justiça”, disse Vaccarezza.

Na última segunda-feira, Preta Gil perguntou no programa “CQC”, da TV Bandeirantes, como o deputado reagiria se seu filho se apaixonasse por uma negra. “Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco e meus filhos foram muito bem educados. E não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu”, respondeu Bolsonaro.

Sobre o mérito da resposta do colega, Vaccarezza respondeu: “Achei condenável. Mostra a estupidez do que é o pensamento político ideológico dele. O Bolsonaro tem se caracterizado como um deputado estúpido e foi eleito já com essa estupidez. (…) É mais do que racismo, passa do limite da razoabilidade”, disse o petista defendendo também que o PP tome alguma atitude.

Questionado sobre as declarações do líder do governo, Bolsonaro disse: “Se essa palavra [estupidez] partisse de mim seria quebra de decoro, mas como partiu dele é liberdade de expressão (…) Mas eu não vou entrar em uma discussão com o líder do governo, que baixou o nível”.

Por causa de suas declarações, cinco representações por quebra de decoro parlamentar já foram protocoladas na corregedoria-geral da Câmara. Todas foram enviadas imediatamente pelo presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), à corregedoria, que prometeu investigar o caso.

Após ser notificado, Bolsonaro terá cinco dias para se defender. A decisão da Corregedoria será depois enviada à Mesa Diretora da Câmara, que poderá encaminhar o caso ao Conselho de Ética, podendo iniciar um processo de cassação do mandato.

Ontem, o congressista disse estar se “lixando” para críticas de gays e se defende falando que entendeu a pergunta de Preta Gil equivocadamente. Segundo o deputado, ele entendeu que a pergunta da cantora foi como ele reagiria se seu filho se apaixonasse por um homossexual e não por uma negra.

(Folha Online)

Anúncios