RIO – O lutador de MMA Thiago Silva admitiu ter adulterado a urina colhida em exame antidoping após a vitória por decisão unânime dos juízes sobre Brandon Vera no UFC 125, em 1º de janeiro deste ano. A Comissão Atlética do Estado de Nevada (a luta foi em Las Vegas) acusara o brasileiro de fraude. O resultado do exame apontou que o material colhido era “inconsistente com a urina humana”, segundo laudo do controle antidopagem.

– Eu usei um adulterante de urina após a minha luta com Brandon Vera. Fiz isso na tentativa de alterar os resultados do teste e conscientemente violei as regras da Comissão Atlética de Nevada. Esta foi uma decisão terrível de minha parte, e sei que vou ser punido. Estou preparado para aceitar esse castigo, aprender com ele e seguir em frente. Peço desculpas à comissão, ao UFC, a Brandon Vera e aos fãs do MMA – disse Thiago Silva.

O lutador garantiu que o episódio vai fazer dele um atleta melhor e que voltará mudado da punição que certamente lhe será imposta:

– Tomamos decisões todos os dias de nossas vidas. Algumas são boas, e alguns são más. Quando você toma uma decisão ruim, pode piorar a situação, tentando encobrí-la, ou mentir sobre isso, ou apenas enfiar a cabeça na areia e se recusar a reconhecê-la. Ou você pode dar até uma explicação honesta, aceitar as conseqüências de suas ações, pedir desculpas às pessoas afetadas por ela, aprender com isso e seguir em frente. Eu estou escolhendo a segunda opção – afirmou o brasileiro.

Após o teste da Comissão de Nevada ter acusado resultado incompatível com urina humana, uma nova amostra foi submetida a exame em laboratório credenciado pela Agência Mundial Anti-Doping (Wada, na sigla em inglês). O mesmo resultado foi apurado no novo teste.

Thiago Silva explicou que não quer arranjar desculpas para seu comportamento. Mas contou que decidiu tomar substâncias que melhorariam seu desempenho e então tentar mascarar os resultados do teste depois de uma lesão que quase o impediu de lutar contra Vera.

– Eu quero explicar as circunstâncias que antecederam minhas ações. Por favor, não interpretem isso como tentativa de justificar minhas ações. Eu sei que estava errado, e que tomei decisões ruins. Sei que mereço ser punido – reconheceu. – Machuquei seriamente as costas pouco antes da luta contra Rashad Evans. Lutei, perdi e fiquei afastado um ano para me recuperar. Depois tive outra lesão nas costas, 45 dias antes do combate contra Brandon Vera. Já que estava afastado por tanto tempo, decidi que o único jeito de não desistir da luta era tomar injeções de sustâncias proibidas nas costas e na coluna. Também tomei a decisão de usar algo para esconder essas susbtâncias no exame de urina – acrescentou.

O caso de Thiago Silva será julgado em 7 de abril. O lutador garantiu que agiu sem conhecimento de sua equipe. Ele deve pegar pelo menos um ano de suspensão, que pode chegar a até dois anos.

– A decisão foi só minha e não compartilhei a informação com ninguém mais antes da luta, com medo de que não tivesse permissão para lutar. Assumo total responsabilidade sobre a decisão de quebrar as regras e tentar enganar o sistema. Vou aceitar a punição que eu recebo e vou aprender com isso. Pretendo voltar uma pessoa melhor e um profissional melhor – completou.

Thiago Silva tem 28 anos. Estreou no UFC com vitória sobre James Irvin, na edição 71 do evento, em 26 de maio de 2007. Com 1,85m e 93kg, venceu 15 de suas 17 lutas no MMA. As duas derrotas foram para Lyoto Machida, por nocaute, e Rasahd Evans, por decisão dos juízes.

(O Globo Online)

Anúncios