OJapão parou por um minuto nesta sexta-feira (18) em respeito às milhares de vítimas do grande terremoto de magnitude 9 e devastador tsunami que ocorreram há uma semana. O minuto de silêncio ocorreu às 14h46, exatamente na mesma hora do início do desastre natural registrado na última sexta (11).

Horas antes do minuto de silêncio, as autoridades do Japão calculam em 6.405 o número de mortos e em 10.259 o número de desaparecidos após a tragédia, segundo o último boletim oficial divulgado pela polícia nesta sexta-feira (18).

Os números, porém, não são definitivos e podem aumentar. O número de feridos foi a 2.409.

Mais de 90 mil militares e reservistas japoneses, auxiliados por voluntários estrangeiros especialistas em salvamento, trabalham na zona devastada em busca de sobreviventes.

terremoto e o posterior tsunami destruíram 11.991 casas, provocaram 269 incêndios e danificaram 1.232 pontos nas estradas do norte e do leste do Japão.

Transportes
A infraestrutura de transporte está sendo recuperada na zona afetada, o que facilita a tarefa das equipes de assistência para a distribuição da ajuda para cerca de 380 mil pessoas que permanecem nos 2.200 abrigos disponibilizados após os desastres naturais.

Supermercados
Na cidade de Sendai, uma das mais afetadas, os supermercados do centro da cidade voltaram a abrir para vender mantimentos aos habitantes, enquanto na província de Iwate, mais ao norte, a escassez de combustível levou à paralisação das cerimônias de cremação de vítimas.

Nuclear
Com base na Escala Internacional de Acontecimentos Nucleares e Radiológicos (INES, na sigla em inglês), a Agência de Segurança Nuclear do Japão aumentou, nesta sexta-feira (18), de 4 para 5 o nível do acidente nuclear de Fukushima. A escala vai até 7.

Ao longo desta sexta, especialistas tentaram resfriar o reator 3 da usina. Dezenas de caminhões-pipa voltaram a lançar água no contêiner, muito danificado após o terremoto do dia 11. Cerca de 30 caminhões foram utilizados na operação.

(Portal G1)