No ano passado, a economia brasileira começou a reverter o resultado ruim da crise econômica e alcançou um crescimento de 7,5% na comparação com 2009. O resultado elevou o país à condição de sétima economia mundial, segundo o ministro da Fazenda Guido Mantega.

Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) foram divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo dados preliminares, Mantega destacou que a economia brasileira já ultrapassou a França e o Reino Unido em paridade de poder de compra e é a sétima maior economia mundial. O ministro destacou que o crescimento não sinaliza um superaquecimento da economia.

“Isso mostra a capacidade produtiva da economia brasileira, o potencial que vem sendo realizado nesses últimos anos. Mostramos nossa capacidade de crescer cada vez mais”, destacou.

A elevação do PIB foi baseada no incremento do poder aquisitivo da população, segundo a economista do Instituto de Pesquisa do Estado do Ceará (Ipece), Eloísa Bezerra.

“O mercado interno teve participação considerável, o consumo das famílias cooperou para essa variação, além da melhora do mercado externo e do nível de investimentos em 2010”, destacou.

O consumo das famílias subiu pelo sétimo ano consecutivo em 2010, com avanço de 7% frente ao ano anterior, maior aumento da séria histórica, iniciada em 1996.

Baixa Base de Cálculo

A expansão do PIB é a maior desde 1986, quando foi observada a mesma alta. No entanto, a base de cálculo era baixa, segundo alguns economistas. Em 2009, a economia apresentou uma retração de 0,6%, a primeira queda na atividade econômica desde 1992.  

”O aumento parece ser muito, mas temos que observar que a base é pequena”, destacou Pedro Jorge Ramos Viana, coordenador da unidade de pesquisas do Instituto de Desenvolvimento Industrial do Ceará.

O desenvolvimento do setor industrial foi recorde, com avanço de 10,1% em relação a 2009. Destaque para os setores alimentício, de calçados e vestuário.  

ENTENDA A NOTÍCIA
O crescimento do poder aquisitivo das familias brasileiras impulsionou a expansão do consumo e elevou a economia mesmo em tempos de crise. A tendência deve continuar e há risco de inflação nos próximos anos. 

(Teresa Fernandes – O Povo Online)