Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa, viúva do escritor João Guimarães Rosa (1908-1967), morreu na manhã de hoje de causas naturais, em São Paulo.

Ela tinha 102 anos e sofria do Mal de Alzheimer. Segundo a família, o corpo será velado hoje às 17h.

Aracy e Rosa se conheceram em Hamburgo, Alemanha, às vésperas da Segunda Guerra, quando ambos trabalhavam no consulado brasileiro na cidade.

Encarregada da seção de vistos, Aracy ajudou dezenas de famílias judias a fugirem da Alemanha.

O papel de Aracy foi reconhecido com uma placa em seu nome no Jardim dos Justos, no Museu do Holocausto de Jerusalém. É homenageada ainda no Museu do Holocausto em Washington.

Aracy ficou imortalizada na literatura brasiliera com a dedicatória que Guimarães Rosa dedicou a ela no livro “Grande Sertão: Veredas” (1956): “A Aracy, minha mulher, Ara, pertence este livro”.

Ela deixa quatro netos e oito bisnetos.

(Folha Online)