Irecê (Bahia) – Em visita à Bahia, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta terça-feira o reajuste de até 45% do programa Bolsa Família. Os benefícios terão um aumento médio de 19,4% com elevação de 8,7% sobre a inflação desde 2009, quando ocorreu o último reajuste.

No entanto, a maior parte dos segurados terá um reajuste de apenas 2,9%. O valor do benefício passará de R$ 68 para R$ 70. A maior taxa de aumento foi para a bolsa concedida a crianças de até 15 anos. O valor passa de R$ 22 para R$ 32, o que representa 45,5% de aumento. Os jovens de 16 e 17 anos também receberão aumento: 15,2%, de R$ 33 para R$ 38.

Segundo a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, os reajsutes, especialmente para os mais jovens, são formas do Bolsa Família se tornar mais eficaz no combate à pobreza, já que 25% dos beneficiários têm até 9 anos de idade.

“Não se trata de um simples reajuste. O aumento significativo dos benefícios variáveis é exatamente o de maior impacto sobre a extrema pobreza. Essa diferença significa mais comida na mesa da população pobre do País. Melhorar a alimentação fortalece a capacidade de desenvolvimento de nossas crianças e jovens”, disse a ministra.

O Ministério do Desenvolvimento Social informou que o reajuste do programa terá um impacto financeiro de R$ 2,1 bilhões e que um total de 12,9 milhões de famílias serão beneficiadas com o aumento.

No evento, Dilma Rousseff afirmou em seu discurso que o anúncio do reajuste do Bolsa Família foi feito na Bahia, já que o estado é a unidade federativa com maior número de beneficiários do programa. Ela também participou do lançamento para 2011 do Programa de Aquisição de Alimentos para Agricultura Familiar.

Governo divulga dados sobre pobreza

Na ocasião, o governo Federal aproveitou a oportunidade para divulgar dados sobre a pobreza no país. De acordo com os números, após a criação do Bolsa Família, a desnutrição infantil caiu de 12,5% para 4,8% em crianças menores de 5 anos. Além disso, há um número cada vez menor de crianças e adolescentes fora da escola. 3 milhões de pessoas saíram da linha de extrema pobreza.

(O Dia Online)