Policiais civis prenderam, na manhã deste sábado, um homem suspeito de manter um grupo de travestis em cárcere privado em um apartamento na rua Guaianases, no centro de São Paulo.

A polícia chegou ao local após denúncia da mãe de um deles, que vive no Ceará. Ela procurou as autoridades de Fortaleza para dizer que o filho havia sido aliciado, morava em São Paulo e estava impedido de retornar à sua terra natal.

As autoridades cearenses entraram em contato, então, com o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania de São Paulo, que levou o caso à polícia.

No apartamento foram encontrados quatro travestis –dois de Fortaleza, um do Rio Grande do Norte e um de Belém (PA)– sob a guarda do ‘gerente’ da casa, Nilton Pinto de Freitas, 27, conhecido como Andressa, que foi preso em flagrante e será indiciado sob suspeita de cárcere privado, tráfico de pessoas e exploração da prostituição. Não havia menores de idade entre o grupo.

No início do mês, outro grupo de travestis foi encontrado em situação análoga também no centro de São Paulo, e entre eles havia quatro menores de idade que já foram encaminhados de volta às suas cidades.

Segundo a secretária da Justiça, Eloisa de Souza Arruda, um dos travestis teria tentado voltar a Fortaleza, mas não conseguiu deixar o local. A mãe dele teria enviado uma passagem para que regressasse, mas a organização responsável pelo aliciamento e alojamento dos jovens em São Paulo não teria deixado.

Ele já está sob proteção do Estado. Ainda de acordo com a secretária, os outros três não quiseram sair da cidade.

‘Alguns concordaram em permanecer nessa situação, e não podemos obrigar um maior [de idade] a voltar’, disse.

Os travestis são aliciados em cidades do Nordeste, onde geralmente vivem em situação de pobreza, e trazidos para São Paulo por uma grande organização criminosa, fortemente estruturada e hierarquizada, segundo a polícia. Eles contraem dívidas com essa organização –em geral, relacionadas à viagem e a cirurgias para colocação de silicone– que são ‘impagáveis’, segundo a polícia.

As cirurgias acontecem em clínicas de São Paulo e custam entre R$ 4.000 e R$ 6.000. A polícia não deu informações sobre essas clínicas.

Segundo o delegado titular da Divisão de Proteção à Pessoa do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), Joaquim Dias Alves, as investigações para revelar o esquema dessa organização criminosa já acontecem há mais de dois anos, em parceria com a Secretaria da Justiça.

Ele explica que os travestis sofrem ameaças físicas e psicológicas para se sujeitar a isso. ‘Estamos descobrindo agressões e até homicídios de dissidentes’, disse, sem dar mais detalhes. O caso de hoje está ligado ao esquema descoberto no início de fevereiro, afirma o delegado.

São Paulo tornou-se um dos principais centros receptores de travestis no país, e é a principal porta de saída para que esses jovens cheguem ao exterior. Segundo a polícia, a razão para que alguns queiram voltar e outros não é que a família de alguns os aceitam e os querem de volta, enquanto outros são renegados.

Os travestis pagam a seus superiores R$ 25 por dia –independente de terem feito ‘programas’ ou não. Esse valor, segundo o delegado, é cumulativo, o que torna a dívida cada vez mais impagável. Além dos R$ 25, pagam uma porcentagem do total de programas feitos por dia.

OUTRO LADO

Alex Kaecke, advogado de Nilton, preso na operação de hoje, afirma que seu cliente alugue o apartamento para cinco colegas e diz desconhecer a organização criminosa à qual a polícia se refere. Ele nega, ainda, que Nilton tenha qualquer relação com o esquema descoberto pela polícia no início do mês.

‘Os próprios depoimentos dos travestis concordaram com todas as versões apresentadas pela minha cliente’, diz. ‘A porta ficava aberta para livre entrada e saída de qualquer pessoa.’

Questionado sobre o jovem que, segundo a polícia, era impedido de voltar ao Ceará, a defesa disse que ‘no depoimento ele não manteve isso’.

O advogado vai pedir a liberdade provisória de Nilton, que foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória da Vila Independência.

(Folha Online)