As revelações de Elizabeth Miriam Quiroga, que foi secretária de Néstor Kirchner, morto em outubro do ano passado, sobre sua suposta relação com o ex-presidente da Argentina, abalaram a classe política do país.

Elizabeth, que trabalhou com Kirchner desde os anos 90 até sua morte, em 27 de outubro, confessou à revista “Noticias” que foi amante do ex-governante.

A ex-secretária decidiu falar sobre sua suposta relação com Kirchner depois que foi demitida de seu cargo como diretora do centro de documentação presidencial em 5 de janeiro.

Segundo a revista, Elizabeth conheceu Kirchner nos anos 90, trabalhou com ele quando era governador da sulina província de Santa Cruz e se transferiu a Buenos Aires quando ele assumiu a Presidência, em 2003.

“Tínhamos uma união muito forte. Deixei tudo para vir do sul com ele”, declarou.

Elizabeth nega que Kirchner seja o pai de sua filha de 11 anos.

(Folha Online)