A eleição do deputado Antonio Carlos Magalhães (BA), por 27 votos contra 16 concedidos a Eduardo Sciarra (PR), selou a decisão do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab de deixar o DEM e migrar, junto com seu grupo político, para o PMDB paulista. A divisão no partido coloca em lados opostos dois grupos que disputam a hegemonia da legenda. De um lado, o atual presidente, Rodrigo Maia (RJ), tenta manter sua facção no comando até a eleição marcada para março, enquanto Kassab, que se alinha ao tucano derrotado nas últimas eleições, José Serra, perde terreno. O resultado fortalece o grupo de Maia, já que ele apoiava ACM Neto. Também integram esta ala o deputado Ronaldo Caiado (GO) e o senador José Agripino (RN), possível candidato do grupo à presidência da legenda.

Já a ala que perdeu a eleição é comandada pelo ex-senador Jorge Bornhausen (SC) e por Kassab. Nesse grupo, também militam a senador Katia Abreu (TO), o ex-senador Marco Maciel (PE) e o ex-candidato a vice-presidente da República Indio da Costa (RJ). Embora, oficialmente, os apoiadores de ACM Neto tenham garantido que haverá um movimento de reconciliação, é voz corrente nos bastidores que a disputa segue para as eleições no diretório nacional da legenda em um clima ainda mais acirrado.

(Correio do Brasil)