A Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo apura a denúncia de que um delegado de São José dos Campos teria agredido um advogado cadeirante durante uma briga por uma vaga de estacionamento reservada para portadores de deficiência física. A agressão teria ocorrido na tarde da última segunda-feira, em frente ao fórum do município.

De acordo com a denúncia, o delegado Damasio Marino retornava ao seu veículo particular quando foi abordado pelo advogado Anatole Magalhães Macedo Morandini, que reclamou do uso da vaga especial. “E aí iniciou-se uma discussão, que veio a culminar com uma agressão por parte do senhor Damasio no cadeirante”, afirmou o delegado Antônio Álvaro Sá de Toledo, delegado da 1º Corregedoria Auxiliar da Polícia Civil, responsável pelas regiões do Vale do Paraíba e do Litoral Norte de São Paulo.

“O cadeirante alega que ele (o delegado) saiu do veículo empunhando uma pistola e teria agredido ele a golpes de coronhadas, no olho e na boca. Foi requisitado exame de corpo de delito, ele foi submetido, então o laudo vai esclarecer definitivamente”, afirma Álvaro. “A Corregedoria recebeu a ocorrência e imediatamente foi determinada instauração de processo administrativo disciplinar e inquérito policial”, disse o delegado, que espera ouvir as duas partes ainda nesta quinta-feira. “As oitivas nós devemos esgotar tudo até amanhã, no mais tardar, e vamos ficar apenas no aguardo do laudo do IML (Instituto Médico Legal)”, afirmou.

O prazo para conclusão do inquérito é de 30 dias. Caso fique comprovado o abuso do delegado, ele estará sujeito a sanções e pode ser expulso da Polícia Civil. A reportagem não conseguiu localizar a defesa do delegado para comentar as acusações.

(Portal Terra)

Anúncios