Um grupo de 14 pessoas hospedadas em um sítio no vale do Cuiabá, em Petrópolis, morreu por conta da chuva que castigou a região serrana do Rio. Moradores da região disseram que uma tromba d’água arrastou casas, destruiu pontes e deixou centenas de pessoas desabrigadas.

Entre os mortos no sítio estão a estilista Daniela Conolly e outros sete parentes. Conolly estava hospedada em um sítio que pertence à família Gouvêa Vieira, uma das mais conhecidas do Rio. Segundo a vereadora do Rio Andrea Gouvêa Vieira (PSDB), eles estavam no local há pouco mais de uma semana. A família tinha ido para o vale do Cuiabá para festejar o aniversário do pai da estilista.

Daniela é irmã de Erick Conolly, diretor da holding do grupo Icatu. Ele perdeu na tragédia a irmã, a mãe, o pai, três filhos, o cunhado e o sobrinho. A mulher e a filha mais velha dele foram resgatadas e levadas para o hospital Copa D’Or, no Rio, onde seguem internadas, sem risco de morrer.

O hospital informou que a pedido da família não prestará informações sobre o estado de saúde das pacientes.


RISCO

A Defesa Civil municipal informou que o número de mortes em Petrópolis pode aumentar e chegar a 40 somente no vale do Cuiabá, pois corpos arrastados pela água dificultam a localização.

O órgão estima que mais de 1.000 pessoas podem estar desabrigadas na cidade, mas tem dificuldade em contabilizar o total. A Defesa Civil afirma que muitos moradores estão cuidando de limpar suas casas ou tentando recuperar móveis e pertences. Muitas pessoas buscaram abrigo em casa de parentes e amigos.

Na cidade, cerca de 40 mil pessoas –13% da população– moram em áreas de risco, segundo a prefeitura.

Os deslizamentos já fazem parte da história da cidade, onde há localidades em que o risco foi detectado há mais de 25 anos. Outra peculiaridade de Petrópolis é que as áreas de risco ficam em diversos bairros, que têm tanto mansões quanto casas populares.

(Folha Online)