Aurilene soltou um ‘valha’ tão sincero, lento e consternado quando ouviu a notícia de que as linhas do Paranjana iam deixar de circular, que a reportagem teve dó de não ter dado as novas com um pouco mais de tato. Jéssica já sabia tinha um tempo, mas ainda não havia deixado de se questionar o que seria das futuras piadas de ônibus sem a famosa linha. 

“Se num raio de 20 quarteirões você não vir um Paranjana, é porque não está em Fortaleza”, definiu o professor Frederico Tomaz, 30. Pois isso deixará de ser uma verdade absoluta, Fred. A partir desta segunda-feira, 10, os letreiros 041 – Avenida Paranjana I e 042 – Avenida Paranjana II sumirão das ruas da cidade. Não adianta mais esperar, o lendário circular dos baculejos chega a termo.

Em seu lugar, cinco outras linhas pendulares cobrirão o mesmo percurso de hoje. A divisão do fluxo de passageiros foi a estratagema adotada pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) para reduzir as históricas lotações da linha. Além da divisão do itinerário, a frota passa de 67 para 73 veículos em horário de pico – 58 no restante do dia.

Mas Aurilene Martins, 44, vai sentir uma saudade roxa do Paranjana. Há pelo menos cinco anos, dia sim, dia não, a servente pega a linha no terminal da Parangaba e desce na avenida Osório de Paiva, onde trabalha. “É bom. Faço muitos amigos aqui”, relata a senhora. Segundo conta, a primeira conversa é sempre igual: xingam o motorista e depois se escondem no meio da lotação. Daqui a pouco estão rindo e compartilhando as brincadeiras.

Para o motorista de ônibus Nascimento, 44, a perda é real. “Eu gosto (do Paranjana). As linhas mais extensas são melhores. Nos ônibus de bairro são sempre as mesmas caras. Paranjana é mais emocionante”, testemunha. Mas é a enfermeira Jéssica Queiroz, 22, quem aponta solução tanto para saudade quanto para lotação: criar as cinco linhas novas, mas deixar o Paranjana funcionando com menos carros. Assim todo mundo fica contente.

 No Twitter

Como rastilho, a anunciação do fim próximo colocou o Paranjana na rede social digital Twitter e, a exemplo de finado bem quisto, a linha é velada com sincera devoção por Fortaleza.

Ao que parece, Paranjana há muito deixou de ser apenas uma linha de ônibus e entrou para esfera cultural da cidade. Por isso é lembrado com saudosismo e boa dose de galhofa entre os passageiros.

É o nome Paranjana a falta desta equação. O nome famigerado do logradouro das sardinhas em lata, do sumidouro das carteiras de dinheiro e da sauna sem eucalipto de todos os dias.

Pelas palavras de Anderson Fedel (@andersonfedel), “A nostalgia é um sentimento além da razão. Sentir saudades do paranjana é um exemplo disso”.

 ENTENDA A NOTÍCIA

Em lugar do trajeto de quase três horas, a integração entre os terminais de Antônio Bezerra, Lagoa, Parangaba e Papicu deixa de ter como segundo nome Paranjana e a demanda será dividida em três novas linhas.  

Confira as novas linhas:

024 – Antônio Bezerra/Lagoa/Unifor
Terminal Antônio Bezerra
Terminal Lagoa
Av. Dedé Brasil
Uece
Av. Dep. Paulino Rocha
Av. Oliveira Paiva
Av. Washington Soares
Fórum
Unifor

040 – Parangaba/Lagoa
Acesso direto entre os terminais Parangaba e Lagoa

041 – Parangaba/Oliveira Paiva/Papicu
Terminal Parangaba
Av. Dedé Brasil
Uece
Av. Dep. Paulino Rocha
Av. Oliveira Paiva
Av. Washington Soares
Fórum
Unifor
Av. Engenheiro Santana Júnior
Terminal Papicu

042 – Antônio Bezerra/Francisco Sá/Papicu
Terminal Antônio Bezerra
Av. Cel. Carvalho
Av. Francisco Sá
Praça da Estação
Av. Santos Dumont
Terminal Papicu

072 – Antônio Bezerra/Parangaba
Terminal Antônio Bezerra
Av. Cel. Matos Dourado
Praça do Henrique Jorge
Av. Sen. Fernandes Távora
Av. Prof. Gomes Brasil
Terminal Parangaba

(Janaína Brás, O Povo Online  e  Portal Jangadeiro Online)