A Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac) enviou carta aos diretores do Banco do Brasil e a Fundação Carlos Chagas exigindo explicações e alterações no edital do concurso do Banco do Brasil, publicado quarta-feira (5), com inscrições até o dia 10 e a realização da provas no dia 06 de fevereiro.

Para a entidade, pontos cruciais como os prazos precisam ser revistos, pois mesmo se tratando de uma seleção para áreas específicas, todo e qualquer brasileiro tem que ter tempo hábil para realizar sua inscrição e participar da seleção em igualdade de condições.

O concurso, que visa formação de cadastro de reserva para o cargo de escriturário, abrangerá os estados de Alagoas, Amazonas, Ceará, Paraíba e Paraná. Para Ernani Pimentel, presidente da Anpac, com os prazos divulgados fica praticamente impossível um candidato de outro estado se deslocar para se inscrever. Além disso, para todos os concorrentes, o prazo entre a publicação do edital e a realização da prova está estrangulado.

“É preciso coerência e um período mais elástico para que os estudantes tenham condições de se preparar adequadamente”, diz. De acordo com Pimentel, a constituição diz que ninguém pode ser discriminado e nesse caso, sendo o Brasil um país com território vasto e com algumas áreas com comunicações precárias, fica impossível em apenas quatro dias úteis moradores de outras regiões sequer tomarem conhecimento do edital.

“E muitos que tiverem essa oportunidade terão que viajar até o local de inscrição. Por esses e outros fatores, a Anpac tem sugerido às autoridades interessadas em certames justos, isonômicos e transparentes um prazo mínimo de 30 dias para divulgação e inscrição”, afirma, acrescentando que somente 23 dias para os candidatos estudarem para as provas é um tempo muito curto e a preparação para as mesmas torna-se inviável.

Ele ressalta que a entidade vem há anos buscando conscientizar os órgãos e as bancas sobre um prazo maior entre o lançamento do edital e a realização da prova.

“O ideal é um prazo de 90 dias, como estipulado no Estatuto do Concurso Público criado pela própria Anpac. Esse prazo maior será altamente benéfico aos próprios órgãos que irão admitir funcionários muito mais bem preparados e, por isso mesmo, mais eficientes e produtivos”, afirma Pimentel, ressaltando que, nesse caso do Banco do Brasil, um cronograma tão apertado não se justifica, pois trata-se de formação de cadastro de reserva. “Além do mais, o próprio edital esclarece que existem aprovados em concursos anteriores, que ainda se encontram dentro do prazo de validade e terão prioridade de convocação”, conclui.

(Paraíba Agora)

Anúncios