A 16ª Vara Criminal de São Paulo decretou nesta quinta-feira a prisão preventiva do ex-médico Roger Abdelmassih, condenado em novembro de 2010 a 278 anos de prisão por crimes sexuais contra dezenas de pacientes da clínica de fertilização que ele mantinha em São Paulo. O pedido de nova prisão foi feito na última terça-feira pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo.

Segundo o MP, a prisão foi deferida nesta quinta-feira pela juíza Kenarik Boujikian Felippe. A prisão foi motivada pela solicitação de renovação de passaporte feita por Adbelmassih, que recorre à condenação em liberdade. O MP interpretou a solicitação como uma intenção de fuga, já que o ex-médico está proibido de deixar o Brasil.

Para o Ministério Público, Abdelmassih “dá mostras claras e concretas de que pretende deixar o País para se furtar ao cumprimento de sua pena, já iniciando medidas que viabilizem a sua fuga”.

Abdelmassih foi preso no dia 17 de agosto de 2009, mas uma liminar do então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, o soltou no dia 23 de dezembro do mesmo ano.

As investigações começaram há dois anos, após o relato de uma ex-funcionária a promotores de Justiça. Ela afirmou que Abdelmassih teria tentado beijá-la à força. Ex-médico especialista em reprodução humana de um grande número de celebridades, ele respondeu pelas acusações de violação sexual e atentado violento ao pudor cometido contra 56 pacientes de sua clínica de reprodução entre 1995 e janeiro de 2008.

O advogado do ex-médico, José Luiz de Oliveira Lima, afirmou que aguardará a notificação da prisão para se pronunciar sobre o caso.

(Portal Terra)