São Paulo – O HSBC confirmou que vai aderir à cláusula de combate ao assédio moral. Em reunião com a presidenta e com o secretário de Saúde do Sindicato, Juvandia Moreira e Walcir Previtale, e com o diretor da entidade Valdir Fernandes, na quinta 16, para estabelecer procedimentos, o gerente sênior de Relações Sindicais do banco, Gilmar Lepchalk, reforçou a intenção.

A cláusula de combate ao assédio moral é conquista dos bancários na última Campanha Nacional 2010 e faz parte da Convenção Coletiva de Trabalho. Ela prevê, para sua aplicação, que os bancos confirmem a adesão assinando um acordo aditivo. Além do HSBC, Bradesco, Santander, Citibak e Itaú unibanco já confirmaram o compromisso, estando pendente apenas uma data a ser estabelecida para a assinatura.

“Tratamos esse assunto com muita seriedade, pois o assédio moral é um dos piores problemas que a categoria enfrenta atualmente, sendo apontada, inclusive, como uma das maiores causadoras de adoecimento”, diz Juvandia. “E manteremos a atenção redobrada após a assinatura do acordo para que ele seja, de fato, um mecanismo efetivo de combate.”

Entenda – A cláusula de combate ao assédio moral se aplicará a todos os bancários do Brasil e prevê avaliação semestral do programa, com apresentação por parte da Fenaban de dados estatísticos setoriais com indicadores de qualidade. Com a informação, será possível identificar as causas e estabelecer políticas para combatê-las.

As instituições que aderirem se comprometerão com uma declaração explícita de condenação a qualquer ato de assédio. Também deverão implementar um canal para receber as denúncias, com prazo para apuração e retorno à entidade sindical. A denúncia poderá ser feita pelo bancário ou pelo Sindicato e o banco terá até 60 dias, contados a partir da data da denúncia, para apurar e tomar as providências.

(Bancários SP)

Anúncios