As principais cidades brasileiras e metrópoles de países emergentes melhoraram sua colocação no ranking de dinamismo econômico após a crise mundial, de acordo com pesquisa da London School of Economics.

O estudo Global Metro Monitor mede a performance econômica de 150 regiões metropolitanas pelo mundo nos anos de 2009 e 2010, utilizando indicadores de renda e geração de emprego. Foi a terceira edição do estudo, que também foi feito no período pré-crise (1993 a 2007) e durante a crise (2007 a 2010).


O Rio de Janeiro é a cidade brasileira mais bem colocada na lista, ocupando o 10º lugar. Em seguida estão Belo Horizonte (22º), São Paulo (25º) e Brasília (32º). Istambul ocupa o topo do ranking.

“A análise mostra que muitas metrópoles de América Latina e Ásia se recuperaram completamente da crise, ao contrário da Europa e dos EUA”, explica um dos autores do estudo, Alan Berube.

Em relação a edições anteriores, as cidades brasileiras apresentaram significativa melhora. No período pré-crise, o Rio ocupava apenas a 100ª colocação, Belo Horizonte, a 42ª, São Paulo, a 70ª, e Brasília, a 95ª.

FORA DO CENTRO

Das 30 cidades mais bem colocadas do último ranking, 29 não estão nos EUA nem na Europa. Austin é a exceção.

“O crescimento rápido das metrópoles nos mercados emergentes desafia as outras metrópoles a procurar modelos mais produtivos de crescimento econômico em substituição àqueles que precederam a crise”, diz Berube.

“Esses modelos devem incluir a expansão das exportações para abastecer a crescente demanda dos emergentes por bens e serviços de alto valor”, completa.

Além da força dos emergentes na recuperação econômica pós-crise, o estudo também conclui que a economia global é dependente das metrópoles. Apesar de as 150 regiões analisadas terem apenas 12% da população mundial, concentram cerca de 46% do PIB global.

O estudo ainda mostra que a performance econômica das metrópoles está altamente atrelada à performance das economias nacionais. Assim, as políticas fiscal, monetária e de comércio tornam-se fundamentais na maior exposição ou proteção das grandes cidades a crises.

(Jornal Floripa)

Anúncios