SÃO PAULO – O promotor Maurício Lopes entregou ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) as alegações finais na ação contra o deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), conhecido como o palhaço Tiririca.

O depurado federal eleito é réu em uma ação penal que apura se houve falsidade ideológica na declaração de sua alfabetização entregue no pedido de registro de candidatura nas eleições deste ano. Ele já tinha admitido antes que sua mulher o ajudou a preencher os documentos necessários para registrar sua candidatura.

Na ação, o promotor pede que o humorista seja condenado a cinco anos de prisão pelo crime de falsidade ideológica. Lopes acredita que Tiririca entregou declarações falsas sobre sua alfabetização à Justiça Eleitoral. No dia 11 de novembro, o humorista fez um teste de leitura e escrita. Esse teste servirá para basear a decisão do juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloísio Sérgio Rezende Silveira, que julga o caso.

O promotor também encaminhou ao TRE-SP um parecer de uma fonoaudióloga do Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo, no qual disse que Tiririca pode ser classificado como um analfabeto funcional, uma vez que apresentou sérias dificuldades no teste.

(Fernando Taquari | Valor)