Francisco Everardo Oliveira Silva, 45, o Tiririca, deve comprovar hoje se é ou não alfabetizado e provar que não falsificou documento. Eleito deputado federal mais votado do País, com 1,35 milhão de votos, o humorista cearense nem é obrigado, mas, provocado, vai comparecer à audiência marcada para hoje pelo juiz da 1ª zona eleitoral de São Paulo, Aloisio Sérgio Rezende Silveira, para fazer teste de escrita.

O encontro será a portas fechadas, com presença apenas do juiz e do procurador eleitoral e de um assessor do candidato.

Conforme a assessoria da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE), mesmo que o exame seja realizado e comprove o analfabetismo, ele será diplomado em dezembro. Caberá à PRE solicitar a cassação da diplomação e, com isso, impedir que ele tome posse.

No caso de isso ocorrer, os votos dados a Tiririca serão considerados nulos e haverá mudanças nos deputados eleitos graças ao coeficiente eleitoral.

Tiririca é acusado de ter forjado sua carta de apresentação de candidatura na hora de declarar ser alfabetizado, requisito obrigatório para ser candidato a cargo público. O deputado eleito pelo PR de São Paulo alega ter tido ajuda de sua mulher na hora de redigir o texto por problemas motores na mão direita, o que explicaria o fato de sua letra aparecer distorcida.

Segundo a defesa dele, os anos de trabalho no circo provocaram em Tiririca uma lesão que dificulta a aproximação do dedo polegar do indicador.

No entanto, um laudo elaborado pelo Instituto de Criminalística a pedido do promotor eleitoral Maurício Antonio Ribeiro Lopes detectou que o autor dos manuscritos examinados possui uma habilidade gráfica maior do que aquela registrada ao longo do texto da declaração. Com isso, o deputado eleito deverá comprovar também que não falsificou documento.

Caso se comprove que Tiririca não sabe ler nem escrever, ele poderá ser condenado a cinco anos de reclusão e pagamento de multa por omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, para fins eleitorais.

 

ENTENDA A NOTÍCIA

Personagem das últimas eleições, Tiririca nasceu em Itapipoca e ganhou fama nacional em programas de televisão. Com campanha que fazia piada do próprio processo eleitoral, tornou-se o deputado mais votado do País, com 1,35 milhão de votos por São Paulo.

(O Povo Online)