O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, elogiou hoje a eleição de Dilma Rousseff (PT) como a primeira mulher presidente do Brasil, dizendo que a vitória dela irá impulsionar o “vistoso progresso” nos laços entre os dois países. “A relação entre o Irã e o Brasil, nos últimos anos, desfrutou de um vistoso progresso, o qual eu estou seguro continuará e será consolidado sob a sua liderança”, disse Ahmadinejad a Dilma, segundo a agência de notícias Irna do governo iraniano.

Dilma Rousseff, de 62 anos, que foi presa e torturada no começo da década de 1970 por sua militância na guerrilha, tornou-se ontem a primeira mulher a chegar à Presidência do Brasil para suceder Lula.

Os laços entre o Irã e o Brasil floresceram durante os dois governos de Lula, culminando em maio com a visita do mandatário brasileiro a Teerã, onde Brasil, Turquia e Irã assinaram um acordo que tinha como objetivo superar o impasse sobre o controverso programa nuclear da República.

Portugal

O presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, felicitou Dilma Rousseff e se mostrou seguro de que seu mandato constituirá “uma renovada oportunidade” para aprofundar as relações bilaterais.

Em mensagem, Cavaco transmite as “mais efusivas felicitações” em seu nome e em nome do povo português, e deseja à governante recém eleita “o maior sucesso” no exercício de suas funções.

Além disso, o Chefe de Estado português diz que espera uma visita de Dilma em “breve” e advoga pela contínua prosperidade e progresso do “povo irmão brasileiro”.

Espanha

O presidente espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, enviou neste domingo (31) um telegrama a Dilma Rousseff parabenizando-a pela vitória nas eleições deste domingo e se comprometendo a seguir trabalhando para que relação bilateral entre Brasil e Espanha continue “magnífica”.

Fontes do governo espanhol informaram à Agência Efe que o chefe do Executivo, em sua primeira mensagem de felicitação à qual será a primeira mulher a governar o Brasil, desejou sucesso a Dilma.

“Seguiremos trabalhando para que as relações entre nossos dois países continuem em um nível magnífico”, disse Zapatero em seu telegrama.

Argentina

O Governo da Argentina parabenizou a presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff, por sua vitória nas eleições deste domingo.

“Parabenizamos a senhora Dilma Rousseff pelo triunfo popular obtido no segundo turno, que a consagra como a primeira mulher a ser chefe de Estado da República Federativa do Brasil”, informou o Ministério das Relações Exteriores argentino por meio de nota oficial.

“Ao tempo de desejar o maior dos sucessos em sua futura gestão, o Governo argentino expressa sua indeclinável vontade de seguir trabalhando com a nação irmã do Brasil para aprofundar a estreita e rica relação que une ambos os países”, diz a nota.

O Governo liderado por Cristina Kirchner declarou ainda que o triunfo de Dilma “decreta a continuidade das políticas que vêm sendo desenvolvidas tanto no Mercosul como na Unasul para o bem-estar de nossos povos e de toda a comunidade latino-americana”.

“Além disso, o Governo da República Argentina felicita o Governo e o povo da República Federativa do Brasil pelo desenvolvimento exemplar do pleito, e destaca o compromisso cívico do povo brasileiro na consolidação da democracia na região”, conclui o comunicado oficial.

Já o chanceler argentino, Héctor Timerman, disse através de sua página na rede social Twitter que entrou em contato com o assessor para Assuntos Internacionais do presidente Lula, Marco Aurélio Garcia, para falar sobre a vitória de Dilma.

“Da tristeza da quarta-feira à alegria do domingo”, afirmou o chanceler argentino, lembrando o falecimento do ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner.

“Ganhou Dilma e o Mercosul continua se fortalecendo. Dilma é uma grande amiga da Argentina, e nós, dela”, disse Timerman.

Bolívia

O presidente boliviano, Evo Morales, classificou a vitória de Dilma Rousseff (PT) nas eleições brasileiras como um “triunfo da democracia latino-americana”.

De acordo com a agência estatal “ABI”, Morales acompanhou com atenção o segundo turno das eleições e acredita que a escolha da primeira presidente do Brasil favorece a democracia. “Com Dilma, a democracia voltou a se impor em uma América Latina unida que aposta na mudança”, declarou o líder boliviano.

Atualmente o Brasil é o primeiro mercado das exportações bolivianas e compra cerca de 30 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

Nos últimos anos, Morales manteve uma estreita relação com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que teve o papel de principal promotor de Dilma, a quem chamou em algumas ocasiões de “irmão mais velho”. Por outro lado, teve desencontros com o candidato derrotado das eleições, José Serra (PSDB), que já acusou Morales de ser cúmplice do narcotráfico.

Venezuela

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, enviou neste domingo (31) uma saudação e “um beijo” a Dilma Rousseff por sua vitória nas eleições presidenciais.

“Bem-vinda ao clube”, disse Chávez durante seu programa dominical de rádio e televisão, “Alô Presidente!”, logo após o anúncio da vitória de Dilma.

Chávez disse ainda que a petista está destinada a ser uma “gigante” na América do Sul, “como a presidente da Argentina, Cristina Kirchner”, e pediu também “um forte aplauso” para Luiz Inácio Lula da Silva.

Paraguai

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, felicitou por telefone a petista Dilma Rousseff por sua vitória nas eleições, disse o ministro da Justiça e do Trabalho, Humberto Blasco.

“O presidente Lugo nos informou que falou por telefone com a presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff, para felicitá-la pela vitória eleitoral”, destacou Blasco.

O chefe de Gabinete, Miguel López Perito, destacou que o Governo de Assunção recebe com alegria a eleição de Dilma “porque representa uma posição propícia” ao Paraguai.

“Tudo estava bastante parado por causa das eleições e espero que após a ascensão do novo Governo todas as conversas sobre o assunto possam ser retomadas”, ressaltou Perito.

(Época Online)