A defesa do goleiro Bruno disse que vai pedir à justiça o vídeo que mostra a reconstituição dos últimos momentos de Eliza Samúdio na versão de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro.

As imagens foram exibidas, com exclusividade, pelo Fantástico.

Pela primeira vez, um dos envolvidos no caso Bruno aparece falando da morte de Eliza Samúdio.

Policial: E você falou o que com o Bruno?
Sérgio: Por que não resolveu na Justiça.
Policial: E ele?
Sérgio: Ele falou que já tava feito. Aí começou a chorar.

Sérgio diz aos policiais que estava na porta da sala quando viu Eliza pela primeira vez. Foi na manhã do dia oito de junho, véspera da morte.
O primo de Bruno mostra aos policiais onde estava Eliza, com a cabeça machucada.

Policial: Onde que tava o ferimento? Como que era?
Sérgio ajeita na cabeça da perita.
Policial: A posição que ela tava era essa?
Sérgio: É, olhando pra frente, com o menino lá.

Ele conta que Macarrão não o deixou entrar na casa.

Sérgio: Eu não pude ficar na casa. Nesses dias, ele não deixava eu entrar na casa.
Policial: E você achou estranho isso?
Sérgio: Achei.

Sérgio contou ainda que no dia nove Bruno saiu à noite.

Sérgio: O Bruno saiu foi sete horas.

Segundo ele, duas horas depois Macarrão e o menor apareceram do lado de fora da casa com Eliza e o bebê. Macarrão carregava uma mala vermelha.

Policial: E eles falaram o que pra você?
Sérgio: Só mandou sair, pra ficar lá no fundo, lá, que eles só iam passear com a menina.

Na versão de Sérgio, horas mais tarde, o menor, Macarrão e Bruno voltaram no mesmo carro sem Eliza e o bebê. Macarrão e o menor, queimaram a mala vermelha de Eliza.

Sérgio: Aí perguntei “Cadê a menina?” pro Bruno. Aí o menor falou: já era.

Segundo Sérgio, o menor contou como Eliza foi morta pelo ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola.

Sérgio: Falou com ela assim: “vira de costas”. Ela falou com o cara: “ô moço, eu não quero apanhar mais, não”. Ele falou com ela assim: “ não vai apanhar, não; vai morrer”. Aí ele foi e deu uma gravata nela. Aí, quando ela caiu, diz que o Macarrão foi e chutou ela.

Sérgio, considerado pela polícia a testemunha chave do caso, não participou das últimas audiências por medida de segurança. Segundo o advogado de Sérgio, ele está sendo ameaçado por advogados de outros envolvidos para mudar a versão do depoimento.
O advogado de Bruno, Ércio Quaresma, disse que não teve acesso a esse documento e que vai pedir as imagens à juiza responsável.
Os oito acusados da morte de Eliza Samúdio devem ser ouvidos pela justiça daqui a 15 dias.

(Portal Globo)