Durou muito pouco o entusiasmo do mercado financeiro com a possibilidade de uma virada no segundo turno da eleição presidencial.

O acirramento da disputa levou muitos investidores a refazer suas apostas na semana passada para considerar a possibilidade de uma vitória do tucano José Serra, mas novas pesquisas fizeram esse otimismo desaparecer.

Os sinais mais visíveis dessa inflexão apareceram no mercado de juros futuros, em que os investidores negociam contratos para se prevenir contra variações inesperadas nas taxas de juros.

As taxas negociadas nesse mercado caíram por dois dias na semana passada, logo depois da divulgação de uma pesquisa CNT/Sensus que indicou Serra e a petista Dilma Rousseff quase empatados.

Mas os juros voltaram a subir nesta semana. Dúvidas sobre o comportamento da inflação foram o principal motivo, mas analistas também apontaram a vantagem folgada de Dilma nas últimas pesquisas como um fator.

Contratos com vencimento em janeiro de 2012 eram fechados com taxa de juros equivalente a 11,44% antes do primeiro turno da eleição. A taxa desses contratos caiu para 11,22% na sexta-feira e subiu ontem para 11,34%.

CRENÇA

Esse movimento reflete a crença dos investidores de que Serra seria mais rigoroso que Dilma no controle dos gastos públicos e isso contribuiria para reduzir a taxa de juros necessária para conter a inflação, dizem analistas.

Serra não apresentou um plano de governo e tem feito promessas que podem causar estrago nas contas públicas, como a de aumentar o valor do salário mínimo para R$ 600 no dia da posse, mas ninguém se assusta com isso.

“O mercado não leva em conta as promessas”, disse Tony Volpon, um analista da corretora Nomura Securities em Nova York. “O histórico de Serra aponta para uma política fiscal mais austera.”

Analistas também atribuíram a Serra a valorização sofrida pelas ações da Eletrobrás na última semana. Eles dizem que a interferência do governo na gestão da estatal seria menor com Serra.

“Dilma aumentaria a intervenção do governo na economia”, escreveu o economista José Carlos Faria, do Deutsche Bank, em nota para clientes ontem. “Por outro lado, o BC provavelmente teria mais autonomia com ela.”

Para Christopher Garman, um analista da consultoria Eurasia Group, o comportamento dos investidores nos últimos dias refletiu uma visão excessivamente otimista sobre o que Serra faria.

“A leitura do mercado está errada”, disse Garman. “A equipe de Dilma sabe tão bem quanto Serra que precisa frear o crescimento das despesas do governo.” Nota distribuída na terça-feira pela Eurasia estimou em 70% as chances de uma vitória de Dilma no segundo turno.

(Folha Online)