O censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) já concluiu a coleta de informações em 63 municípios cearenses. Na maior parte deles, os recenseadores entrevistaram e contabilizaram menos gente do que o esperado pelo órgão. Em 44 municípios, a população ficou menor do que as estimativas baseadas na última contagem, de 2007. Se comprovada a redução populacional, os municípios podem ter diminuição também de recursos repassados pela União.

O chefe da unidade do IBGE no Estado, Francisco Lopes, afirma que a população cadastrada pode aumentar até o encerramento dos trabalhos no censo. Os entrevistadores ainda tentarão agendar mais entrevistas e verificar os domicílios cadastrados inicialmente como vagos ou fechados. Lopes acredita, no entanto, que o número menor de pessoas e a quantidade de domicílios vagos encontrados pelos recenseadores podem ser explicados pela migração com a estiagem deste ano.

Dos municípios com coleta concluída, Alto Santo, no Baixo Jaguaribe, foi o que teve maior diferença entre a população esperada e a que foi, de fato, contabilizada. O IBGE registrou, até agora, 74% das pessoas estimadas. O prefeito de Alto Santo, Adelmo Aquino, diz que o censo foi feito de forma irresponsável no município. Segundo ele, os recenseadores deixaram de ir a algumas localidades e às ilhas habitadas na barragem do açude Castanhão. O prefeito também critica o acompanhamento dos recenseadores. “Estamos fazendo um levantamento preliminar e já vamos encontrando mais de 1.500 nomes de pessoas que não foram recenseadas”, reclama Adelmo Aquino.

A preocupação é com a queda de receita. “Vamos perder em torno de R$200 mil da fonte da União, do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), para educação e saúde. Vai ser uma catástrofe”. Adelmo afirma que, quando os dados do censo forem fechados, serão questionados administrativamente. Em seguida, se não houver modificação, a intenção é entrar com processo judicial.

Treinamento

Francisco Lopes, do IBGE, diz que vai verificar o recenseamento das ilhas apontadas pelo prefeito, mas defende a metodologia do censo. Ele ressalta que o órgão fez concurso para todos os municípios do Brasil para escolher recenseadores, supervisores e coordenadores, treinados de forma idêntica em todo o País. “O que acontece é que os prefeitos não fazem o investimento necessário e a população está deixando o município”, acrescenta. 

A coleta de dados do Censo 2010 toma como base a noite de 31 de julho. Após o término da coleta, até o próximo dia 30, os dados iniciais devem ser lançados no dia 4 de novembro. Os municípios terão 20 dias para entrarem com recursos caso queiram contestar as informações.

E-MAIS 

> No Ceará, 7.842.544 pessoas já foram cadastradas no Censo – 92% da população estimada. Os dados vão subsidiar as políticas públicas da próxima década.

> A maior parte das entrevistas é feita com questionário simples, com duração de 5 minutos. Apenas 5% da população deve responder a entrevista mais demorada, estimada em 30 minutos.

> A lei 5.534/68 estabelece que toda pessoa física e jurídica está obrigada a contribuir com informações para o IBGE. A multa para quem se nega a prestar informação pode chegar a 10 salários mínimos. Se for reincidente, pode ser de até 20 salários mínimos. 

> Quem ainda não foi visitado pode agendar uma entrevista com o recenseador pelos telefones (85) 3464 5353 ou 3464 5311.  

Larissa Lima – O Povo Online

Anúncios