Os bancários ligados à Confederação Nacional dos Trabalhadores das Empresas de Crédito (Contec) anunciaram terem aceito a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil e suspenderam a greve. Os trabalhadores ligados ao sindicato representam cerca de 5% de todos os bancários do País.

De acordo com o sindicato, a proposta aceita da Fenaban foi de reajuste em 7,5% dos salários dos bancários que ganham até R$ 5.250. Para os bancários que ganham acima desse valor, foi oferecido um montante fixo de R$ 393,75, ou reajuste mínimo de 4,29%. A proposta ainda é de reajustar em 7,5% os benefícios e verbas fixas, como: o adicional de caixa, adicional de tempo de serviço, auxílio refeição, auxílio cesta alimentação.

Já o Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal ofereceram reajuste de 7,5%, de todos os salários de todos os funcionários dos bancos. Os benefícios também serão reajustados em 7,5%.

Em relação à Participação nos Lucros e Resultados (PLR), a Fenaban propôs que todos os valores fossem corrigidos em 7,5%, à exceção do limite individual da Parcela Adicional, cujo valor passará de R$ 2.100 para R$ 2.400 (14,28%).

Já para os funcionários do Banco do Brasil, a PLR será de três salários para NRF Especial, 1 e 2; 2,3 salários para NRF 3; 1,85 salário para primeiros gestores; 1,57 salário para os demais gestores e analistas e assessores NRF 4; 1,55 salário para gerência média; 1,5 salário para analistas e assessores NRF 5 e 6; 1,47 salário para demais comissionados; R$ 3.118,08 para escriturários e R$ 3.434,99 para caixas executivos.

Para os funcionários da Caixa, 4% do lucro líquido será distribuído de forma linear para todos os empregados.

Ainda hoje bancários filiados a outros sindicatos farão assembleias para decidir o fim da paralisação. O comando dos grevistas já propôs que os trabalhadores aceitem os termos apresentados pelos bancos.

(Portal Terra)

Anúncios