A reeleição do governador Cid Gomes (PSB), seguindo-se à reeleição de Luizianne Lins (PT) como prefeita de Fortaleza, em 2008, demarca o fim do segundo ciclo de reeleições da história do Ceará e impõe um processo de renovação que deverá determinar o desenho político do Estado na próxima década. 

O ciclo anterior foi marcado pelas reeleições do hoje senador Tasso Jereissati (PSDB) e do ex-prefeito Juraci Magalhães como governador e prefeito de Fortaleza, respectivamente. Superado aquele ciclo, houve a ascensão justamente de Cid e Luizianne, tendo a administração Lúcio Alcântara (PR) como experiência de transição da geração Cambeba para o cidismo.

Agora, como Cid e Luizianne não poderão disputar novos mandatos, um espaço para novos dirigentes se abre. Sem que, até agora, haja substitutos naturais.

Inicia-se assim um momento de renovação e reacomodação de forças. E, no bojo desse processo, um teste para a aliança entre Cid e Luizianne. O governador deixou claro, na entrevista publicada ontem nas Páginas Azuis do O POVO, que já quitou sua dívida política com Luizianne e o apoio ao candidato da petista em 2012 dependerá de um novo acordo. Não são poucos os petistas que, por sua vez, admitem ter intenção de lançar candidato ao Governo em 2014. A manutenção ou não desta união vai definir bastante os rumos da sucessão tanto para o Executivo municipal como para o estadual.

Os novos nomes –  Nesse cenário de incerteza e de vácuo de novos quadros dirigentes, alguns nomes se fortaleceram nas últimas eleições. No PT, destacam-se José Guimarães, segundo deputado federal mais votado do Estado, o senador eleito José Pimentel e o deputado Artur Bruno, que teve a votação mais expressiva na Capital cearense na disputa por uma vaga de deputado federal. Na Assembleia Legislativa, o nome mais cotado a despontar é o do deputado recém-eleito Camilo Santana, deputado estadual mais votado do Estado.

Apesar de não ter tido seu potencial eleitoral testado na última eleição, outro petista que vem galgando espaço é o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Salmito Filho. Ele ocupou o vácuo deixado por Luizianne durante a campanha, fortaleceu sua liderança no Parlamento e conquistou a simpatia do governador Cid Gomes.

No PSB, sai fortalecido o deputado estadual Mauro Filho, ex-secretário da Fazenda. No PMDB, o deputado federal Eunício Oliveira, eleito senador com um número de votos maior que do próprio governador, é cotado para ganhar espaço no âmbito nacional. No âmbito local, tende a ganhar ainda mais força o presidente da Assembleia e vice-governador eleito, Domingos Filho. Ele tem possibilidade, inclusive, de herdar o Governo do Estado caso Cid decida deixar o Governo para concorrer ao Senado em 2014. Nessa hipótese, Domingos será não apenas o governador durante a Copa do Mundo de futebol como terá possibilidade de se candidatar à reeleição.

Outros nomes de expressão são a senadora Patrícia Saboya (PDT), que já concorreu duas vezes à Prefeitura e, agora eleita deputada estadual, promete dedicar seu mandato à cidade de Fortaleza. Há ainda o vice-prefeito de Fortaleza, Tin Gomes (PHS), eleito deputado estadual e que mantém ao redor de si um grupo de pequenos partidos que o torna uma força sempre muito cortejada.

Na oposição, destaque para o deputado estadual Marcos Cals (PSDB), que surpreendeu ao ficar na segunda colocação na eleição para o Governo. 

E-Mais  –  Candidato à Prefeitura de Fortaleza nas três últimas eleições, o ex-deputado federal Moroni Torgan (DEM) é hoje considerado nome improvável para a próxima disputa. Mesmo o ex-vice-presidente estadual do DEM e amigo de Moroni, Ruy Câmara, afirma que o democrata é carta fora do baralho. Isso porque ele está afastado há muito tempo da política cearense. Depois que perdeu a última eleição, em 2008, viajou para Portugal, onde cumpre três anos de missão na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. “Se ele vai voltar com algum plano eu não sei. Ele está muito distante dos problemas do Município, do Estado. Vir de última hora e se candidatar a prefeito? Não vejo de imediato grande viabilidade.

(O Povo Online)

Anúncios