PSOL agora é Paim

do Pioneiro

Porto Alegre – Numa decisão que surpreendeu os próprios militantes, o PSOL retirou ontem a candidatura de Luiz Carlos Gonçalves Lucas ao Senado. E passou a pedir votos para um adversário: o senador Paulo Paim, que concorre à reeleição pelo PT, partido com o qual o PSOL nutre profundas divergências: boa parte dos seus integrantes são ex-militantes petistas que acabaram expulsos do partido.

– Nossa candidata ao Senado continua sendo Berna Menezes. Mas agora nosso segundo voto será para Paim – disse o presidente estadual do PSOL, Roberto Robaina, durante a entrevista coletiva em que foi feito o anúncio do apoio oficial a Paim, com a presença dos principais dirigentes do PSOL no Estado e também do senador petista.

Para Pedro Ruas, a retirada da candidatura de Lucas e a adesão a Paim foi uma decisão pragmática: o partido sacrificou um candidato sem chance para tentar garantir a reeleição de um senador com o qual mantém afinidades ideológicas e de lutas, como a defesa dos interesses dos aposentados e do salário mínimo.

– O quadro atual traz grandes riscos de que dois candidatos da direita assumam esse mandato. Não há dúvida de que, nessas circunstâncias, precisamos apoiar uma candidatura comprometida com os trabalhadores – afirmou Ruas, pedindo apoio de outros partidos de esquerda.

O próprio Paim foi surpreendido com o inesperado apoio.

– Só fiquei sabendo hoje, quando fui comunicado pelo Pedro Ruas. É um gesto nobre, de coragem e ternura por alguém que sempre defendeu com muita convicção o povo gaúcho – acrescentou.

O apoio a Paim foi decidido na manhã de ontem, em uma reunião da executiva regional do PSOL. Apesar da votação quase unânime (10 a 1), ela imediatamente provocou reações contrárias entre muitos militantes. Um manifesto com 24 assinaturas, encabeçado por Sandra Feltrin, presidente do PSOL de Santa Maria e membro do diretório nacional do PSOL, justificava os motivos para não apoiar e não votar no petista.

Em Caxias do Sul, o presidente municipal do PSOL, Paulo Roberto de Souza, garante que a decisão da direção estadual será respeitada:

– Dentro de um perfil de esquerda, o Paim preenche a ideologia do PSOL. É uma decisão da direção do partido, que vamos discutir depois.