A fila de espera por um coração é longa. Alguns pacientes passam de três a seis meses aguardando por esse momento. Contudo, de acordo com dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), no primeiro semestre deste ano, o Ceará ficou acima da média nacional em número de transplantes de coração por milhão de habitantes. Enquanto, no Brasil, ocorreu um transplante do órgão por milhão da população, o Estado registrou 2,4. Essa situação coloca o Ceará em primeiro lugar no País em transplantes de coração.

Entretanto, quando se fala sobre a quantidade de transplantes realizados em números absolutos, o Estado fica em terceiro lugar, com dez procedimentos realizados, perdendo apenas para os estados de São Paulo e Minas Gerais, que realizaram, respectivamente, 49 e 14 transplantes de coração. Mesmo diante desses dados, segundo o coordenador cirúrgico da Unidade de Transplante Cardíaco do Hospital Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (Hospital do Coração de Messejana), Juan Mejía, não há muito o que comemorar, pois estamos muito distantes do número ideal recomendado pela ABTO, que é de seis transplantes por milhão de população.

O ex-empregado da indústria têxtil José Chagas Matos, 37 anos, descobriu há dois anos que tinha uma enfermidade no coração em decorrência da Doença de Chagas. Desde então, ele faz tratamento no Hospital do Coração. Porém, diante da gravidade do seu quadro clínico precisará se submeter a um transplante. Internado há 25 dias na unidade, ele teme não conseguir um coração a tempo. “Sinto-me cansado e, muitas vezes, não tenho nem ânimo para me levantar da cama. Faço um apelo para que a população doe órgãos, pois o sofrimento com a doença é grande”.

Para Juan Mejía, a principal dificuldade na captação do órgão no Estado – por consequência, o aumento da espera para realizar o transplante – é a falta de manutenção e acompanhamento dos possíveis doadores nas unidades de saúde. Segundo ele, há uma carência de profissionais capacitados para realizar o diagnóstico da morte encefálica, necessário para que a doação do órgão seja efetivada com sucesso.

Para Mejía, é preciso aumentar o número de profissionais que trabalham diretamente com esse segmento. Conforme ele, com a superlotação das emergências, é quase impossível acompanhar os possíveis doadores. “Hoje, o problema não se restringe à pouca quantidade de doações, mas à qualidade dos doadores. A cada cinco efetivos no Ceará, apenas um doa o coração”, frisa.

A coordenadora da Central de Transplantes do Ceará, Eliana Barbosa, concorda com Juan Mejía e ressalta que, não bastassem os tabus religiosos e sociais, também há falta de manutenção dos órgãos, desconhecimento do protocolo pelos profissionais da saúde, carência de neurologistas nas unidades públicas e a superlotação das emergências hospitalares, que favorecem a um diagnóstico tardio da morte encefálica, inviabilizando a realização dos transplantes de órgãos no Estado.

Procedimentos

De acordo com a coordenadora da Central de Transplantes do Estado do Ceará, após 48 horas do diagnóstico da morte encefálica, é inevitável a parada cardíaca, pois a morte é progressiva. Diante disso, sem a função vital do coração, há uma falência dos demais órgãos, que ficam inviáveis de serem reutilizados por outras pessoas.

Eliana Barbosa explica que são realizados dois procedimentos para diagnosticar a morte encefálica nos pacientes. Mas outra situação agravante que dificulta a captação de órgãos é que o intervalo de tempo ideal entre eles deve ser de seis horas, contudo, alguns procedimentos ocorrem com intervalos acima de 11 horas, inviabilizando o procedimento cirúrgico.

(Diário do Nordeste)