FORTALEZA – Acusado de ter dado um “salto em escândalos”, o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), e seu principal adversário, Lúcio Alcântara (PR), bateram boca nesse domingo durante debate promovido pela TV Diário.

Lúcio citou o uso de um avião na campanha de Cid que pertence a uma empresa contratada pelo governo e disse que em três meses foram gastos R$268 mil com aluguel da aeronave.

O avião pertence à construtora CHC Ltda que tem R$40 milhões em contratos com o governo e com a Assembléia Legislativa, presidida pelo candidato a vice, Domingos Filho (PMDB).

Lúcio disse que Cid representa um governo “perdulário e com “síndrome de novo rico” e voltou a criticar o uso de picapes luxuosas usadas como viaturas policiais. Ele também citou as suspeitas que envolvem as licitações de reforma do estádio Castelão e de ampliação do Porto do Pecém.

– O grande salto na verdade tem acontecido na sucesão de denúncias que a imprensa tem dado, disse Lúcio, que denunciou o governador à justiça eleitoral por abuso de poder econômico e político no caso do avião.

Sem citar nomes, Cid reagiu ao ataque com insinuações dirigidas ao deputado federal Leo Alcântara (PR), filho de Lúcio.

– Escândalo, o senhor deve ter muta coisa para tratar dessa questão. Fala-se muito no Ceará de pessoas ligadas muito intimamente, familiarmente ligadas ao senhor, que eram mestres em negócios e em utilizar o governo para fazer tráfico de influência. O senhor deve entender bem de escândalo.

Nas considerações finais, Lúcio disse que não fazia “insinuações levianas” e que suas denúncias estão na imprensa e serão apuradas pela justiça.

Cid Gomes também partiu para o ataque contra seu ex-secretário de Justiça, Marcos Cals, candidato do PSDB, que tem repetidas vezes criticado a política do atual governo na área de geração de emprego e educação.

O governador contestou dados do tucano de que 48% dos jovens entre 15 e 17 anos estariam fora da escola. E armou uma “pegadinha” para o tucano perguntando quantos jovens nessa faixa etária tem no Ceará.

Numa referência ao senador Tasso Jereissati (PSDB), que governou o Ceará por três mandatos, Cid disse que no governo que o tucano representa esse índice era de 50%.

Irritado com a interrupção enquanto dava uma resposta, o candidato do PSDB, Marcos Cals, chegou a se referir ao governador como “meu amigo” num tom não amigável. E o mediador precisou pedir que cortassem o som dos microfones.

Lúcio Alcântara, governador entre 2003 e 2006, também acusou Cid Gomes de “faltar com a verdade” por ter afirmado que seu governo entregou apenas o “edifíco-garagem” da reforma do Hospital Geral de Fortaleza. Cid disse que o adversário “faltou com a verdade” porque a contratação de agentes de saúde aconteceram em seu governo e não no de Lúcio.

Também participaram do debate os candidatos do PV, Marcelo Silva, e do Psol, Soraya Tupinambá.

(O Globo Eleições)