O Globo

O relatório de uma comissão na Bélgica que lida com os recentes escândalos envolvendo padres que cometeram abusos sexuais revela que ao menos 13 vítimas dos religiosos se suicidaram nos últimos anos.

No documento, a comissão revela que recebeu mais de 480 denúncias de pedofilia. Dois terços das vítimas são homens e a maioria tinha em torno de 15 anos na época dos abusos. Pelo menos cem mulheres também sofreram abusos.

Das 199 páginas do relatório, a metade corresponde aos relatos de vítimas, segundo o jornal “El País”.

O documento apresenta detalhes das histórias. Uma das vítimas diz que começou a ser abusada aos 2 anos.

O presidente da comissão, o psiquiatra Peter Adriaenssens, afirmou que a maioria das vítimas apresentou denúncias após a renúncia do bispo Roger Vangheluwe, que admitiu ter tido relações sexuais com um menor.

Além dos 13 casos confirmados de suicídio, o relatório informa que houve outras seis tentativas. A maior parte dos relatos foi dada por ex-alunos que estudaram em instituições religiosas no anos 1960 e 1970 e ficaram traumatizados pelos abusos.

De acordo com o “El País”, a comissão foi criada pela Conferência Episcopal no ano 2000 e, segundo seu presidente, produziu o relatório tendo como objetivo a “verdade” e a “reconciliação”.