SÃO PAULO (Reuters) – O governador do Amapá, Pedro Paulo Dias de Carvalho (PP), candidato à reeleição, foi preso pela Polícia Federal nesta sexta-feira como parte de uma operação deflagrada para deter membros de uma organização envolvida no desvio de recursos públicos do Estado e da União.

“O governador realmente está preso”, disse uma fonte com conhecimento das investigações e que pediu para não ter seu nome revelado. De acordo com essa fonte, Carvalho foi detido na manhã desta sexta-feira.

Procurada, a assessoria do governo do Estado disse que ele “foi convocado e se apresentou para prestar esclarecimentos”. “Pegou todo mundo de surpresa”, acrescentou.

Segundo nota da Receita Federal, os envolvidos nos esquemas de corrupção e sonegação tributária fraudavam licitações, pagavam serviços não realizados e usavam recursos públicos “como se fossem seus”.

“Os esquemas desviaram recursos estimados em mais de 300 milhões de reais, que se corretamente administrados poderiam minorar problemas básicos em áreas preponderantes que afetam a população, como saúde, educação e saneamento básico”, afirmou a Receita.

A chamada operação Mãos Limpas, envolve 600 agentes da PF para cumprir 18 mandados de prisão temporária, 94 mandados de busca e apreensão e 87 de condução coercitiva, quando a Justiça determina que uma pessoa que ignorou uma intimação seja levada para prestar esclarecimentos, segundo a PF.

Todos os mandados foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Além do Estado do Amapá, os mandados estão sendo cumpridos no Pará, Paraíba e São Paulo. Participam da ação 60 servidores da Receita Federal e 30 da Controladoria Geral da União.

A operação é um desdobramento de investigações iniciadas em 2009 que apontaram indícios de desvio de recursos repassados à Secretaria de Educação do Estado por meio do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef).

Também foram identificados, segundo a PF, desvios de recursos no Tribunal de Contas do Amapá, na Assembleia Legislativa, na Prefeitura de Macapá, nas Secretarias de Justiça e Segurança Pública, de Saúde, de Inclusão e Mobilização Social, de Desporto e Lazer e no Instituto de Administração Penitenciária.

(Reportagem de Eduardo Simões; Edição de Maria Pia Palermo – Reuters Online)

Anúncios