A Polícia Civil agiu rápida e foi contundente em suas conclusões. Em menos de um mês, está encerrado o inquérito que apurou uma série de crimes atribuída aos dirigentes da torcida organizada Cearamor. Na tarde de ontem, o delegado Aurélio Araújo, titular do 34º DP (Centro), concedeu entrevista coletiva e informou que, no relatório final das investigações, pediu a decretação da prisão preventiva para seis diretores da facção organizada, entre eles, o seu presidente, Jeysivan Carlos dos Santos, o ´Jey´.

Além dele, foram indiciados o vice-presidente da Cearamor, Régis Alves Pires; o organizador de caravanas da torcida, Anderson Amorim Lobo; o professor de artes marciais Alessandro Chaves Araújo, o ´Grandão´; Diego Benesson Chaves dos Santos Gomes, que comanda a bateria da torcida; e ainda, Luís André Silva de Oliveira, gerente da loja ´Ninho do Urubu´, onde são vendidos artigos como camisas e bandeiras para os torcedores.

Crimes

Ao final do inquérito formulado em 179 páginas, o delegado indiciou os acusados em oito crimes, sendo quatro deles leis previstos na Lei dos Entorpecentes (lei número 11.343): tráfico de drogas, associação para o tráfico, posse de drogas para transformação (de cocaína para pedras de crack) e tráfico em entidade associativa ou recreativa.

Além disso, houve indiciamento por mais três delitos previstos no Código Penal Brasileiro – receptação, formação de quadrilha e adulteração de marca ou sinal identificador em veículo automotor – e, por fim, posse ilegal de arma. Somadas as penas dos oito crimes, os acusados poderão pegar mais de 20 anos de cadeia.

O inquérito foi remetido à Justiça no fim da tarde de ontem e já deverá tramitar, a partir de hoje, na Primeira Vara dos Entorpecentes. A denúncia contra os seis torcedores poderá ser oferecida pelo Ministério Público antes mesmo que o juiz decida se irá acatar ou indeferir o pedido de prisão preventiva.

Ao lado do promotor de Justiça Rinaldo Janja, que acompanhou toda a investigação, o delegado Aurélio Araújo demonstrou confiança no trabalho que desenvolveu junto com sua equipe de inspetores e escrivães, além do apoio da Superintendência da Polícia Civil. “São crimes graves”, acentuou.

O envolvimento dos torcedores nos delitos foi descoberto a partir do roubo de um automóvel na tarde de 14 de agosto passado. O dono do veículo roubado seguiu os ladrões e viu quando eles esconderam o carro na garagem da sede da Cearamor, localizada na Avenida João Pessoa, em Porangabuçu. O Ronda do Quarteirão foi chamado e os PMs acabaram constatando a presença do automóvel roubado. Decidiram, então, fazer buscas no interior do prédio da organizada, encontrando ali drogas (maconha, pasta-base de cocaína, coca já pronta, além de crack), armas (três revólveres), munição, celulares, rádios comunicadores, placas de veículo clonadas e outros apetrechos de crimes diversos. Vários suspeitos foram detidos, mas apenas um deles, o gerente da loja, André Luís de Oliveira, foi autuado em flagrante.

Assassinato

Dos seis indiciados, a situação mais complicada é a do presidente da Cearamor, Jeysivan dos Santos, o ´Jey”, e a de Alessandro Araújo, o ´Grandão´, já que ambos foram denunciados, recentemente, pelo assassinato de um torcedor do América de Natal (RN), em Aquiraz.

(Diário do Nordeste)

Anúncios