Diferentes estudos, a partir de técnicas distintas, obtêm resultados positivos ao tentar provocar a destruição do vírus HIV em células de animais. Apesar de ainda estarem em estágio inicial, representam importante passo na luta contra a Aids.

Brasília – Depois de 30 anos pesquisando drogas capazes de impedir a multiplicação do HIV em organismos infectados, a ciência está mais próxima de encontrar meios de matar o vírus, o que significaria a verdadeira cura da Aids. Estudos recentes realizados com modelos animais mostram que isso é possível, por meio de mecanismos que fazem o HIV se autodestruir. Embora as pesquisas ainda estejam em estágio embrionário, elas significam um passo gigantesco, tratando-se de uma doença cujo diagnóstico era considerado um atestado de óbito há pouco mais de duas décadas.

Publicado no periódico científico Journal of Virology, um dos estudos mais promissores conseguiu estimular a autodestruição do HIV a partir da combinação de duas drogas já aprovadas pelo FDA, órgão de regulamentação de fármacos dos Estados Unidos, utilizadas atualmente no tratamento de câncer. Esse tipo de abordagem, chamado de reposicionamento de drogas, é o mesmo do primeiro medicamento capaz de reduzir amultiplicação do HIV, lançado em 1987. Incialmente, o AZT era recomendado para pacientes com tumores malignos (veja linha do tempo).

“A vantagem em relação a se descobrir uma nova droga é que já sabemos muito sobre essas duas substâncias. Não vamos precisar repetir os estudos. O que teremos de fazer é demonstrar sua eficácia com esse novo enfoque”, explicou ao Correio Braziliense/Diario de Pernambuco a médica Christine Clouser, do Centro de Saúde da Universidade de Minnesota, uma das autoras do estudo. “Essa descoberta dá esperança para uma nova abordagem que, um dia, poderá ajudar 33 milhões de pessoas ao redor do mundo que já vivem com o HIV”, completou o virologista molecular Louis Mansky, que também participou da pesquisa.

De acordo com Mansky, as duas drogas – decitabina e gemcitabina, também aprovadas no Brasil -, quando combinadas, conseguiram eliminar a infecção por HIV em ratos, fazendo com que o vírus sofra uma mutação que o leva à morte, processo conhecido como mutagênese letal. “A habilidade doHIV de se modificar é o que faz dele um alvo difícil de se tratar. O que fizemos foi tirar vantagem desse comportamento, estimulando sua mutação, mas de forma a transformá-lo em uma arma contra ele mesmo”.

Os pesquisadores da Universidade de Minnesota afirmam que essa é a primeira vez que foi possível atacar o vírus até a morte, sem causar efeitos tóxicos. Como ambas substâncias já têm aprovação do FDA, eles acreditam que, se os efeitos positivos forem verificados em animais de maior porte, será muito mais fácil desenvolver o medicamento para uso humano. “A primeira coisa que precisamos fazer é descobrir como combinar as duas drogas em forma de pílula, porque, na pesquisa, utilizamos as substâncias injetáveis”, conta Christine Clouser. Depois disso, eles terão de verificar se, em modelos mais complexos que os ratos, as duas drogas combinadas não serão tóxicas ao organismo.

O estudo de Clouser e Mansky vai ao encontro de outra pesquisa divulgada recentemente na revista especializada Aids Research and Therapy. Os cientistas da Universidade Hebraica de Jerusalém também conseguiram destruir o HIV em células infectadas, injetando nas estruturas uma dose de DNA viral. Segundo os autores, somente as células doentes morreram, um aspecto vital para o desenvolvimento de uma terapia baseada na pesquisa.

Um dos autores do estudo, o professor Abraham Loyter explica que, na infecção, o HIV se espalha pelo corpo humano depois que o DNA viral é incorporado ao genoma das células do hospedeiro. Quando isso ocorre, o HIV injeta nos genes da pessoa infectada uma quantidade pequena de DNA, suficiente apenas para replicar o vírus no organismo. O que a equipe de pesquisadores descobriu foi que, aumentando essa quantidade, as células infectadas passam por um processo chamado apoptose, que consiste na autodestruição celular.

“Para atingir esse objetivo, desenvolvemos peptídeos que podem penetrar as células infectadas e estimular a atividade da integração viral. Essa estimulação resultou no aumento do número de moléculas de DNA viralnas células infectadas. Com isso, elas entraram em um ‘estágio de pânico’ desordenado, provocando sua autodestruição”, explicou Loyter ao Correio Braziliense/Diario de Pernambuco. “Embora extremamente promissora, a pesquisa é preliminar e precisamos fazer mais testes”, lembra.

Proteína – Já na Universidade de Loyola, nos Estados Unidos, um grupo de pesquisadores procura entender o processo de destruição do HIV com base no estudo de células de macacos rhesus, cujo genoma é 93% idêntico ao dos humanos. Eles usaram um microscópio especial que custa US$ 225 mil para identificar os componentes de uma proteína chamada TRIM5a, que destrói o HIV nos primatas. Segundo Edward M. Campbell, principal autor da pesquisa, a descoberta poderá levar ao desenvolvimento de tratamentos que eliminem o vírus nos seres humanos. O artigo foi capa da revista especializada Journal Virology, a mesma que publicou o estudo da Universidade de Minnesota.

De acordo com Campbell, em 2004, outros pesquisadores relataram que a TRIM5a protegia os macacos rhesus do HIV. Primeiramente, a proteína agarra-se ao vírus. Então, outras TRIM5a formam um grupo e destroem o agente. Humanos também possuem essa proteína, mas, ao contrário do que acontece com os macacos, ela protege contra outros vírus, mas não o HIV.

A ideia dos pesquisadores é transformar a TRIM5a em um agente terapêutico efetivo. “Mas, primeiro, precisamos identificar os componentes da proteína que fazem com que ela destrua viroses”, explicou Campbell ao Correio Braziliense/Diario de Pernambuco. Ele diz que a proteína consiste em aproximadamente 500 subunidades de aminoácidos, sendo que a equipe de cientistas da Universidade de Loyola conseguiu identificar seis diretamente associados à habilidade de inibir a infecção viral nas células dos primatas – Campbell destaca que não foram usados animais diretamente na pesquisa, apenas suas células.

No microscópio, os cientistas observaram como os aminoácidos identificados alteravam o comportamento da TRIM5a. Como continuação da pesquisa, Campbelldiz que a esperança é descobrir um aminoácido que consiga não apenas inibir a infecção, mas matar o HIV. “Uma vez que eles sejam identificados, será possível, por engenharia genética, tornar a proteína mais efetiva em humanos. Mas um melhor entendimento do mecanismo da proteína é necessário para o desenvolvimento de drogas que imitem a ação da TRIM5a”, diz o cientista.

Para o cientista Abraham Loyter, da Universidade Hebraica de Jerusalém, é preciso ter em mente que, por enquanto, as pesquisas estão em estágios bastante iniciais. “Até agora, esses experimentos só conseguiram ‘curar’ o organismo infectado pelo HIV em pequenos potes de células cultivadas no laboratório”, admite. Mas ele afirma que são iniciativas extremamente promissoras. “Essas descobertas são passos muito excitantes no caminho da erradicação dessa devastadora pandemia global”.

(Diário de Pernambuco)