Motoristas, cobradores e fiscais de ônibus de Fortaleza mudaram a estratégia do movimento grevista nesta manhã e tarde do primero dia de paralisação.  As categorias optaram por parar veículos nos principais corredores da cidade no lugar de bloquear terminais, deixando o trânsito complicado em pontos da Capital como a rotatória da Aguanambi, imediações do North Shopping e ruas do Centro. O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro) começou a paralisar as atividades por volta de meio-dia.

Esta é a segunda greve da categoria após 50 dias da suspensão da primeira. A paralisação deve cumprir o percentual mínimo de 30% da frota de ônibus em circulação na Capital e Região Metropolitana de Fortaleza.

De acordo com o Sintro, caso os empresários tentem interferir na greve quando a frota mínima de coletivos estiver em circulação, os motoristas poderão iniciar ações como a chamada “catraca zero”, liberando a entrada de passageiros pela porta da frente dos coletivos, sem que seja cobrada a tarifa da passagem.  O Sintro reivindica 15% de aumento, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus) oferece 5,5% de reajuste.

ENGARRAFAMENTOS
Veja as principais ocorrências de trânsito devido à greve registradas pela AMC (por meio do 190), até o início da tarde. A autarquia informou ao O POVO que estas vias devem ter trânsito complicado por toda esta quinta-feira e o órgão pode adotar desvios se o problema persistir:

– Das 12h30 até 13h, seis ônibus parados na Bezerra de Menezes, nas imediações do North Shopping causando engarrafamento.

– Avenida Aguanambi com Soriano Albuquerque, próximo à rotatória que dá acesso a BR-116, 13 ônibus foram parados. Área bastante congestionada.

Avenida Tristão Gonçalves entre Clarindo de Queiroz e Antônio Pompeu, 10 ônibus parados.

Domingos Olímpio entre Imperador e Tristão Gonçalves, 14 ônibus parados.

Avenida do Imperador entre Duque de Caxias e Antônio Pompeu.

(O Povo Online)

Anúncios