O candidato ao governo do Distrito Federal (DF) Joaquim Roriz (PSC) teria sido flagrado em um vídeo efetuando pagando em dinheiro a um suposto laranja no valor de R$ 10 mil. A reportagem sobre o suposto vídeo foi trazida pela revista “Veja” desta semana. Segundo a revista, o encontro entre Roriz e André Alves Barbosa, o suposto beneficiado pelo pagamento, teria sido gravado pelo próprio Barbosa no começo deste ano.

Por meio de seu assessor, Paulo Fona, Roriz negou neste sábado (7) que o pagamento que foi entregue a Barbosa fosse propina, mas afirmou ter ajudado financeiramente o suposto autor do vídeo. O valor do dinheiro que Roriz entregou a Barbosa não foi especificado pelo assessor. Segundo Fona, Roriz é amigo do avô de Barbosa há mais de 40 anos.

“Ele [Roriz] me disse que ajudou o André a pedido do avô dele, porque ele [André] estaria passando por dificuldades. O Roriz é amigo do avô dele, o seu Geraldo, há mais de 40 anos”, afirmou Fona, que falou em nome de Roriz na tarde deste sábado.

A reportagem da revista “Veja” afirma que Barbosa, que teria recebido o dinheiro do candidato, pertence a uma família que atuaria como laranja do ex-governador em imóveis e operações bancárias. Roriz teria reclamado da quantia que seria paga: “tudo isso”, teria dito o ex-governador no vídeo o qual a revista afirma ter tido acesso.

Segundo a reportagem, o candidato retirou os maços de dinheiro de uma caixa. Enquanto contava o recurso, Barbosa teria cobrado de Roriz o pagamento de um empréstimo rural contraído por sua família. Ainda de acordo com a revista, Barbosa recebeu o pagamento para não informar que seria “laranja de Roriz”. Fona acusou Barbosa de “chantagem”.

“Eu suponho que os valores que o Roriz aparece entregando ao André no suposto vídeo seria essa ajuda que foi pedida pelo avô dele. Ele (André) veio aqui e pediu ajuda. Depois vem com essa conversa. Ele quis fazer chantagem com o governador pela ajuda que recebeu”, alega o assessor de Roriz.

Alberto Fraga

Segundo Fona, entre março e maio deste ano, foram deixados envelopes na caixa postal da casa de Roriz avisando da existência do vídeo e cobrando um valor de R$ 50 milhões para que as imagens não fossem divulgadas.

Segundo o revista, Barbosa tentou vender o material com as gravações ao deputado federal Alberto Fraga (DEM). Ao G1, Fraga negou que tenha tido acesso ao vídeo.

“Só sei desse vídeo o que aparece na reportagem”, afirmou o deputado.

(Portal G1)

Anúncios