O Banco do Brasil e o Bradesco assinam hoje um acordo para negociar a compra de uma participação na BES África, holding do português Banco Espírito Santo que reúne participações em instituições financeiras africanas. Estão sendo definidos o preço e a fatia dos bancos na holding, mas comenta-se que cada um teria um terço do capital. O anúncio oficial será feito em instantes.

Pessoas próximas à negociação dizem que o objetivo do BB e do Bradesco é ampliar sua participação no financiamento a companhias brasileiras que operam na África – é o caso dos grupos Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Odebrecht. Por meio da holding, os bancos poderiam comprar outras instituições africanas e montar operações próprias nos países da região. O Banco Espírito Santo é um dos maiores bancos de Portugal, com ativos de cerca de 100 bilhões de dólares.

Hoje, a BES África tem maior presença em Angola e Moçambique. Apesar de pequenas, as economias dos dois países cresceram de forma expressiva nos últimos cinco anos – em Angola, a expansão média foi de 15%; em Moçambique, de 7,5%. Além disso, de forma geral, a atividade bancária nesses países é mais rentável que no Brasil.
 
Com essa transação, o Bradesco faz sua maior incursão internacional. O BB dá mais um passo em sua estratégia de internacionalização. Em abril, comprou 51% do Patagônia, o sexto maior banco da Argentina, com ativos de 2,6 bilhões de dólares. No mesmo mês, obteve autorização para funcionar como uma instituição financeira nos Estados Unidos – o que, na prática, significa poder abrir agências e comprar um banco no país.

(Portal Exame)

Anúncios