FORTALEZA – A Justiça do Ceará decretou a prisão temporária do policial militar que matou por engano com um tiro na cabeça o adolescente Bruce Cristian de Oliveira Souza, de 14 anos , que estava na garupa da motocicleta do pai, em Fortaleza. O adolescente havia ido trabalhar com o pai e ambos voltavam para casa. O pai de Bruce, Francisco das Chagas de Oliveira Souza disse que não parou em uma abordagem policial porque não ouviu a ordem que o policial Yuri da Silveira, de 25 anos afirma ter dado para parar. 

O policial estava detido no Quartel de Polícia Comunitária e vai ser transferido para o Presídio Militar no Centro de Fortaleza. A prisão vale por 30 dias e pode ser prorrogada por mais um mês.

– Foi uma abordagem desastrosa e trágica. Mandaram que ele parasse, ele não ouviu e o policial efetuou um disparo contra a moto – afirmou o major Valberto Melo.

Bruce era o filho mais velho dos três de Francisco. A caixa de ferramentas que o pai, técnico de refrigeração, ficou espalhada pelo chão.

– Esse policial tirou a vida de uma criança inocente – disse um tio de Bruce.

Leia também: Comando da PM do Ceará diz que morte de adolescente foi um ato isolado de PM

Na semana passada, outro episódio de despreparo dos policiais militares de Fortaleza foi registrado. Um policial foi chamado para apartar uma briga de vizinhos e acabou agredindo um dos envolvidos com um tapa na cara. A cena foi registrada por um vídeo.

No mês passado, um vídeo mostrou que policiais do Ceará que fazem ronda em quarteirões foram obrigados a tomar água em vasilhas para cães durante o treinamento, além de receber choques elétricos.

(O Globo Online)