FORTALEZA (CE) – O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) atacou na noite de quarta-feira o governo de Cid Gomes (PSB), de quem foi aliado até o mês passado, ao inaugurar o comitê do candidato tucano ao governo do estado, Marcos Cals.

Ele criticou o “loteamento despudorado” de cargos entre políticos e a situação de “mediocridade” do estado.

Tasso associou o aparelhamento à ineficiência da administração pública.

– A grande credencial para ter cargo no governo do estado é a carteirinha política, de qual cor é, de qual grupo é, de qual partido é – disse, citando como exemplo a Secretaria de Saúde, que até abril foi ocupada por João Ananias (PCdoB), que agora concorre para deputado estadual.

– Evidentemente isso só pode ser um desastre. A política do Ceará está velha e cansada por causa desses hábitos – disse.

Tasso elogiou as conquistas de seus três governos, e lembrou da época em que o estado liderava os piores indicadores ao lado do Piauí e Maranhão, trio conhecido como “piocerão”. Ele também disse que o Ceará chegou a ser referência de eficiência para o Brasil, e que resgatou a autoestima do cearense.

Segundo ele, o estado encontra-se estagnado:

– O Ceará está parado. Não tem uma ideia nova, uma proposta nova que seja impulsionadora de um salto.O estado está conformado com a mediocridade. Não é destino do Ceará a mediocridade.

As críticas reincidentes foram, de certa forma, uma resposta ao amigo e deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE) irmão do governador Cid Gomes. Na semana passada, Ciro foi direto ao dizer que entre o projeto de governo de Cid e o do tucano Marcos Cals, o do irmão é “25 vezes melhor”, e ainda ironizou dizendo não saber como o adversário, que foi secretário de Cid até abril, irá “falar mal” de um governo “extraordinário”.

Ao criticar a forma como foi implantado o programa de segurança Ronda do Quarteirão, que é a menina dos olhos do governdor Cid Gomes, o senador disse que “estamos vivendo num mundo onde a aparência, o embrulho vale mais do que o conteúdo”. A crítica é uma referência aos carros de luxo – do modelo Hilux – usados para fazer a segurança comunitária, enquanto os índices de criminalidade continuam altos.

(O Globo Online)